11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

Anestesia geral em cirurgia plástica: tudo que você precisa saber

anestesia em cirurgia plástica

A escolha da anestesia em cirurgia plástica é uma etapa fundamental para a segurança e bem-estar do paciente durante o procedimento, porém, também é a razão para muitas pessoas adiarem o sonho de fazer uma intervenção cirúrgica com fins estéticos.

Isso acontece porque muitas pessoas acreditam que a anestesia geral acarreta riscos ao paciente, no entanto, essa crença é equivocada e a substância utilizada para o procedimento é cada vez mais segura devido ao monitoramento realizado pelo anestesista durante a técnica cirúrgica.

Sendo assim, selecionamos as principais informações para que você conheça a importância da anestesia na cirurgia plástica, seus benefícios e em quais procedimentos deve-se optar pela anestesia geral. Prossiga com a leitura e saiba mais!

Quando usar a anestesia geral?

As diretrizes do ato anestésico são previstas na Resolução nº 2.174/2017 do Conselho Federal de Medicina (CFM). As normas visam aumentar a segurança do paciente e esclarecimento sobre os procedimentos desenvolvidos. Em geral, a anestesia geral é recomendada para procedimentos mais longos e complexos, como cirurgias de abdômen, de tórax e ortopédicas.

Para alguns anestesistas, a opção pela anestesia geral torna o procedimento mais seguro devido ao controle das vias aéreas e a possibilidade de administrar mais medicação durante a técnica, para garantir o conforto do paciente.

Na escolha do tipo de anestesia para cirurgia plástica é mais comum que os profissionais optem pela local, peridural ou raquidiana, associadas com sedação. Ainda assim, devido à complexidade das técnicas, por vezes, utiliza-se a geral. Alguns casos são:

  • rinoplastia;
  • lifting facial ou ritidoplastia;
  • abdominoplastia;
  • mamoplastia redutora;
  • lipoaspiração ou lipoescultura;
  • cirurgia plástica em crianças, como otoplastia.

Além dessas indicações, a anestesia geral é a opção mais comum em caso de combinação de cirurgias, como quando ocorre a mamoplastia e abdominoplastia juntas, lipoaspiração, mastopexia e em outros casos.

Quais são os benefícios da anestesia geral?

A principal função da anestesia para cirurgia plástica é o bloqueio da transmissão dos impulsos nervosos responsáveis pela sensação de dor. Essa funcionalidade também é o principal benefício do uso da substância.

Ao aplicar a anestesia alguns resultados possíveis são:

  • relaxamento muscular: impede que haja qualquer movimento, ainda que involuntário, que poderia resultar em erros ou lesões durante o procedimento;
  • hipnose: provoca um estado de sono profundo, semelhante a um coma induzido, para que o paciente não sinta nenhum desconforto ou dor;
  • amnésia: essa função da anestesia geral a difere da local e faz com que o paciente não tenha nenhuma memória sobre o momento da cirurgia.

Além desses benefícios outras vantagens da anestesia geral é que ela garante mais conforto durante a realização da cirurgia plástica, evitando incômodos em outras regiões que não a operada, além de reduzir a ansiedade do paciente. A sedação na anestesia local e peridural, por exemplo, visa alcançar benefícios semelhantes a esses, no entanto, os efeitos são menos profundos.

Quais são os efeitos colaterais e riscos da anestesia para cirurgia plástica?

Como afirmamos, é um mito que a anestesia geral seja perigosa ao paciente. Os riscos também diminuíram conforme aumentaram as pesquisas sobre as substâncias e técnicas de monitoramento. Assim, os casos de complicações devido ao uso de anestesia são raros.

Mesmo com a segurança da anestesia geral, ela pode apresentar efeitos colaterais e riscos como qualquer outro medicamento, incluindo a anestesia local. Entre os sintomas mais comuns observados destacam-se:

  • alergias;
  • dores de cabeça;
  • enjoos;
  • vômitos.

Os riscos relacionados ao uso de anestésico, em geral, são decorrentes de patologias preexistentes, como doenças renais, cardíacas, pulmonares ou hepáticas.

Existem alguns fatores de risco que podem tornar o paciente mais suscetível à substância, como:

  • alergias a alimentos ou medicamentos;
  • alcoolismo;
  • uso de drogas;
  • tabagismo;
  • obesidade;
  • distúrbios do sono.

Devido a esses fatores, é fundamental que o paciente com medo de anestesia converse com o médico previamente e exponha essas ocorrências. No caso das cirurgias plásticas, um risco elevado devido ao quadro de saúde do paciente pode contraindicar o procedimento.

Qual é a importância da consulta pré-anestésica?

A consulta pré-anestésica é um requisito indispensável para que tudo ocorra da melhor maneira possível no dia da cirurgia, sem imprevistos e, principalmente, sem sustos ou complicações. Essa consulta é tão importante para o sucesso da cirurgia, seja ela de ordem estética ou não, que existe uma resolução na medicina (Resolução 1802) que determina que a consulta prévia com o anestesista é um direito do paciente.

Nessa oportunidade, é interessante que você leve todas as suas dúvidas por escrito e procure esclarecer essas questões com o profissional até para que no dia da cirurgia seja possível estar calma e segura da decisão.

Vale dizer ainda que será por ocasião dessa consulta que o médico anestesiologista vai averiguar as condições clínicas do paciente, avaliar exames e, se necessário, solicitar exames complementares ou avaliação por outro especialista, a fim de garantir a segurança do paciente no dia do procedimento cirúrgico.

Como funciona a anestesia geral no corpo?

A anestesia geral age no corpo com o objetivo de sedar de maneira profunda o paciente para que ele perca a consciência do que será feito na sala de cirurgia e, ainda, para que ele perca também a sensibilidade do corpo de modo que não sinta nenhum tipo de desconforto ou dor durante o procedimento.

A sedação também impede que o paciente tenha reflexos, o que significa que por meio da anestesia geral será assegurada a imobilidade total do corpo, de modo que as práticas médicas possam ser realizadas com segurança e no tempo que for preciso.

O tipo de anestesia geral que será usado vai ser escolhido de acordo com o procedimento que será feito, podendo ser inalatório ou por aplicação intravenosa. Da mesma forma, a duração da anestesia será calculada de acordo com a necessidade da equipe médica e do tempo que eles imaginam que ficarão dentro da sala de cirurgia.

Quais as etapas da aplicação da anestesia geral?

A aplicação da anestesia na cirurgia plástica pode ser dividida em quatro etapas fundamentais ao conforto e segurança do paciente. São elas:

  • pré-medicação: etapa na qual o paciente recebe um ansiolítico ou calmante para que se mantenha calmo até a condução ao centro cirúrgico;
  • indução: momento no qual a substância anestésica é aplicada e o paciente perde a consciência. Com a intensificação da aplicação, o paciente relaxa totalmente os músculos e é entubado para que receba o oxigênio por ventilação mecânica;
  • manutenção: o anestesista reaplica a substância periodicamente durante o procedimento para evitar a perda dos efeitos e que o paciente desperte;
  • recuperação: fase na qual o anestesista reduz a sedação conforme se aproxima o fim do procedimento. São usados outros anestésicos para que o paciente acorde com dores controladas no local da incisão.

É fundamental que antes do procedimento, o especialista converse com o paciente sobre a anestesia, explicando como funciona, riscos e benefícios. Destaca-se que se for necessário o uso da anestesia geral na sua cirurgia plástica, não há motivo para preocupação, dados os riscos mínimos de complicações.

Quais são os outros tipos de anestesia plástica e quando são indicados?

Existem mais de um tipo de anestesia que pode ser usada em cirurgias plásticas, mas vale esclarecer de antemão que a escolha da será discutida apenas entre o cirurgião e o anestesista, não cabendo ao paciente escolher a versão que parecer mais adequada.

Dito, isso, abaixo relacionamos os tipos de anestesia e os casos nos quais cada uma delas costuma ser indicada, confira:

Local

Como o próprio nome sugere, a anestesia local é aquela aplicada na região onde a intervenção será feita na cirurgia plástica. Normalmente, é escolhida para operações cujas regiões ocupam uma pequena área, como na cirurgia de pálpebras ou na de orelhas de abano.

Peridural

Já a peridural é o tipo de anestesia que é aplicada em um local específico na região da coluna vertebral. É indicada para cirurgias mais complexas e mais dolorosas como no caso da lipoaspiração e da abdominoplastia.

Raquidiana

Essa anestesia é aplicada no canal medular, tem uma duração de aproximadamente 4 horas e é utilizada em cirurgias dos membros inferiores do corpo, incluindo o abdômen.

Caso deseje realizar um procedimento estético, procure um cirurgião plástico de confiança que esclareça todas as informações da técnica, incluindo detalhes sobre como funciona a anestesia em cirurgia plástica e ainda o que precisa ser feito no pré e no pós-operatório.

Agora que você já sabe tudo o que você precisa saber sobre como funciona a anestesia em cirurgia plástica, entre em contato com a clínica da Dra Luciana Pepino e agende uma consulta!

Saiba que todo procedimento envolve riscos. Consulte sempre um médico.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).