11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

Dra. Luciana Explica: 10 dicas exclusivas sobre cirurgias mamárias

cirurgias mamárias

As cirurgias mamárias estão entre os procedimentos cirúrgicos mais buscados pelas brasileiras nos últimos anos. Os principais tipos realizados são a mastopexia, que promove o levantamento das mamas, a mamoplastia redutora, que diminui o tamanho dos seios, e a inserção da prótese para aumento do volume.

Apesar do desejo, boa parte das mulheres desconhecem como funcionam essas cirurgias, assim como quais são as contraindicações e os cuidados necessários.

Antes de tomar a decisão, é importante esclarecer todos os pontos importantes sobre o procedimento. Por isso, para ajudar você nessa etapa, respondemos às dez principais dúvidas sobre cirurgias mamárias. Confira.

1. Existe contraindicações para a colocação do silicone?

A idade mínima para a colocação da prótese é de dois anos após a menarca — a primeira menstruação. Depois desse período, teoricamente, o corpo da mulher já alcançou o desenvolvimento completo da mama, tornando-se possível a realização do procedimento.

Quanto às contraindicações, não é recomendada a colocação de próteses em pacientes que apresentem doenças autoimunes ou que não estejam em condições de saúde que possibilitem a realização de um procedimento cirúrgico.

2. Como escolher a prótese? Existem restrições de tamanho para cada corpo?

Na hora da escolha do tamanho, o desejo da paciente é levado em conta. No entanto, somente o profissional é capacitado para avaliar se o tamanho escolhido é compatível com o tipo de tronco, com a condição da pele e com a quantidade de tecido mamário da paciente.

Peles muito duras e firmes, por exemplo, não apresentam a expansão do tecido necessária para próteses de perfil muito altas. Existem casos, também, em que a paciente tem pouco tecido mamário para a cobertura da prótese, o que fará com que ela fique debaixo da glândula do músculo.

3. De quanto em quanto tempo é preciso trocar a prótese?

Após o procedimento, a paciente é orientada a fazer a troca das próteses a cada dez ou quinze anos, de forma preventiva. É provável que, dentro desse período, as próteses ainda estejam em bom estado e não apresentem problemas. No entanto, o material sofre desgastes ao longo do tempo, ficando com o envoltório mais frágil, o que pode favorecer a ruptura.

Existem duas situações em que a troca é obrigatória: quando ocorre a ruptura ou quando ocorre a contratura capsular, que é o enrijecimento da cápsula em torno da prótese. Ao longo do tempo, devido ao desgaste, essas situações podem ocorrer. Por isso, é indicado realizar as trocas preventivas.

4. Qual é a diferença entre os tipos de incisão?

Existem três tipos de incisão na cirurgia de silicone: a incisão no sulco mamário, a incisão areolar e a incisão axilar. Atualmente, devido a uma maior preocupação com a contaminação da prótese, os cirurgiões têm evitado a incisão areolar, pois o fato de a prótese precisar passar por todo o tecido mamário pode contribuir para a contaminação do material.

O mesmo acontece com a incisão axilar. Assim, a incisão do sulco mamário — ou inframamária — é considerada a mais segura, sendo a mais utilizada. O local da incisão não gera nenhuma diferença estética no resultado final, e as cicatrizes podem sofrer com o alargamento ou a hipertrofia em qualquer um dos três locais.

5. Quais são as outras opções para rejuvenescer a aparência dos seios?

Além da prótese, as pacientes com idade avançada que desejam rejuvenescer a aparência dos seios podem optar pela mastopexia, uma cirurgia que faz o levantamento do tecido. Nos casos em que a paciente tem pouco volume, mas não deseja optar pela prótese, é possível realizar, também, o procedimento de lipofilling — ou lipoenxertia —, que utiliza a gordura para aumentar o volume das mamas.

6. Como funciona a cirurgia de reconstrução mamária?

A reconstrução mamaria é realizada em pacientes que removeram a mama por meio da mastectomia. Nesses casos, o cirurgião analisa a quantidade de tecido mamário removido e verifica qual é a melhor alternativa para a reconstrução.

Existem pacientes que conseguem realizá-la apenas com a colocação da prótese. Em outras situações, é necessário associar o procedimento com a lipoenxertia ou inserir a prótese com alguns retalhos musculares para a sua cobertura.

7. Quais são os riscos de uma cirurgia mamária?

Os principais riscos e complicações da cirurgia de prótese são:

  • seroma — caracterizado pelo acúmulo de líquido;
  • hematoma — quando ocorre hemorragia e o sangue se junta com a prótese;
  • infecção.

Nas cirurgias de mamoplastia redutora e de mastopexia, quando as cicatrizes ficam em torno da aréola — na vertical ou no sulco mamário —, existe também o risco de abertura das cicatrizes e necrose da aréola. No geral, as complicações se dão por alterações vasculares dos tecidos, que dificultam o processo de cicatrização.

8. Quais são os cuidados necessários para evitar a contratura capsular?

A contratura capsular não pode ser totalmente eliminada, no entanto, existem formas de minimizar as chances do problema. A principal causa da contratura é a microcontaminação de bactérias próprias da pele na introdução da prótese. Sendo assim, os cuidados precisam ser realizados pelo cirurgião, fazendo a assepsia e antissepsia correta da pele da paciente e evitando ao máximo o contato com a prótese.

Já para as pacientes, a dica é evitar esforços que aumentem o risco de hematoma e seroma, e realizar banhos com antissépticos conforme a orientação do médico.

9. Existem restrições no pós-operatório?

É importante que a paciente evite movimentos bruscos, não pegue peso, não eleve os braços além do nível dos ombros e durma de barriga para cima nos 30 primeiros dias após a cirurgia. Esses cuidados evitam o surgimento de hematomas e seromas que, a longo prazo, podem virar uma contratura capsular.

10. Onde realizar a sua cirurgia mamária?

Na hora de escolher o melhor profissional para realizar a sua cirurgia mamária, é importante contar com cirurgiões qualificados e experientes, que estejam dispostos a esclarecer todas as suas dúvidas e encontrar a melhor solução para o seu tipo de corpo.

A Dra. Luciana Pepino atua na área de cirurgia plástica desde 2001, sempre com muito trabalho, dedicação e sensibilidade para oferecer às mulheres mais autoestima e confiança.

As cirurgias mamárias são preferência entre o público feminino que busca melhorar a estética dos seios e conquistar mais amor próprio e confiança. No entanto, antes de realizar o procedimento, é importante ter um bom repertório sobre o assunto, para poder alinhar as expectativas e conquistar o melhor resultado.

Agora que você já tirou todas as dúvidas, entre em contato conosco e agende a sua consulta.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).
  1. Rosimeite Aparecida de Lima da Silva disse:

    Gostei das informações, eu gostaria de colocar prótese