11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira das 8h às 21h
Sábados das 10h às 14h

Revisão do implante de mama: o que você precisa saber?

Como fazer a revisão de implante de mama

Saiba quando e como realizar o acompanhamento da prótese de silicone

A mamoplastia de aumento ainda é uma das cirurgias plásticas mais realizadas pelas brasileiras, o que demanda informações sobre a revisão de implante de mama.

Muitas mulheres receiam que na revisão da prótese seja necessário realizar uma nova cirurgia plástica, no entanto, essa indicação nem sempre ocorre.

Saiba mais sobre a revisão e a manutenção da prótese de silicone a seguir e em quais situações a substituição do implante é realmente necessária.

Quando é necessária a revisão de implante de mama?

Em geral, muitas pacientes que se submeteram à mamoplastia de aumento acreditam que a prótese deva ser substituída a cada 10 anos devido à validade do implante.

Esse período era recomendado considerando as próteses mais antigas, produzidas antes de 2005, que tinham uma superfície lisa e eram confeccionadas com gel coesivo.

Próteses feitas após essa data, em geral, são mais seguras, apresentando menores riscos de contratura capsular.

A paciente deve buscar um auxílio médico antes dos 10 anos de cirurgia caso identifique alguma alteração nos seios que possa indicar rejeição ou alteração do implante de mama, como:

  • endurecimento dos seios;
  • dor ou desconforto das mama;
  • implante visível;
  • sensação de vazamento ou ruptura da prótese;
  • endurecimento da cicatriz cirúrgica;
  • flacidez resultante de aumento de peso ou após a gestação/amamentação;
  • desejo de alterar o tamanho da prótese;
  • encapsulamento e contratura capsular.

A contratura capsular é o problema mais comum associado à prótese mamária. Ele é mais frequente nos primeiros anos após a cirurgia, mas pode ocorrer posteriormente.

Trata-se de uma reação do organismo que cria uma cápsula para isolar o material sintético identificado pelas células, criando uma membrana fibrosa em torno do implante.

Em alguns casos, essa ocorrência gera o enrijecimento dos seios, a alteração no formato ou dores e desconfortos, demandando auxílio médico especializado.

Caso a contratura capsular seja identificada e cause danos à aparência ou saúde da paciente é possível removê-la em um procedimento cirúrgico específico ou fazer a substituição da prótese com uma nova mamoplastia.

Tornou-se mais comum também a realização do explante – remoção da prótese de silicone – devido questões de saúde.

A Food and Drug Administration (FDA), dos EUA, identificou casos de linfoma de células anaplásicas na cápsula da prótese, um tipo raro de linfoma não-Hodgkin – câncer do sistema imunológico.

Quando diagnosticado precocemente o tratamento indicado é a remoção da cápsula e do implante.

A FDA também relacionou casos da Síndrome Autoimune Induzida por Adjuvantes (ASIA) com a presença da prótese mamária. Ela se manifesta em pessoas com predisposição genética a doenças autoimunes.

Apesar dessas ocorrências, a revisão de implante de mama deve ser conversada com um cirurgião plástico de confiança. Não há necessidade de remoção preventiva da prótese caso haja um acompanhamento médico adequado.

Quando fazer a revisão do implante de mamas

Como é a manutenção da prótese de silicone?

Os desconfortos relacionados aos seios, como vermelhidão, sensibilidade, dor e outros são indicativos de que pode haver algum problema com a prótese e é necessária uma avaliação clínica.

No entanto, além disso, o ginecologista ou cirurgião plástico pode solicitar exames periódicos para avaliar a integridade da prótese e saúde mamária. Entre eles estão:

  • ultrassonografia: o exame pode se realizado anualmente junto com os exames ginecológicos para verificar se há alterações nas próteses;
  • ressonância magnética: esse exame costuma ser realizado a cada 5 anos, pois fornece um visão detalhada da prótese. Ele é solicitado também quando é necessária uma investigação mais aprofundada da condição do implante;
  • mamografia: o exame pode ser solicitado normalmente em pacientes com prótese de silicone, sendo recomendado para diagnóstico de nódulos, contraturas capsulares e outras anormalidades. Destaca-se que o implante não prejudica a detecção do câncer de mama.

Esses cuidados na revisão de implante de mama garantem um monitoramento adequado da integridade da prótese.

Caso a paciente não sinta nenhum sintoma relacionado ao implante e os exames estejam normais, a substituição da prótese ou explante só ocorrerá se houver motivações estéticas ou pessoais, como:

  • desejo de aumentar ou reduzir o tamanho da prótese, fazendo uma nova mamoplastia de aumento para substituição do implante;
  • querer remover a prótese por estar satisfeita com o corpo natural;
  • não querer mais ter prótese devido estar com uma idade mais avançada e não desejar se submeter a uma intervenção cirúrgica futura para substituição.

Portanto, as próteses atuais são mais seguras, de forma que a revisão de implante de mama pode ser feita com intervalos maiores.

Os cuidados com a manutenção incluem principalmente a realização de exames periódicos e também a observação de alterações que justifiquem uma avaliação mais detalhada do médico.

Já a substituição do implante, atualmente, só é realizada se a paciente deseja alterar o tamanho da prótese, se for identificada alguma anormalidade ou se a prótese for muito antiga.

Caso tenha dúvidas sobre questões como a revisão, manutenção, substituição ou explante da prótese de silicone, busque auxílio especializado de um cirurgião plástico.

 

Agende agora a sua consulta!

 

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).