Menu

Os benefícios do Manthus

Saiba como a técnica age e porque ela é tão eficiente

Ela não respeita idade, não obedece hierarquia, não liga a mínima se ninguém a quer por perto: a celulite é um pesadelo. Quando ela se junta com suas duas companheiras de terror, a flacidez e a gordurinha localizada, o trio provoca calafrios em dez entre dez mulheres. Alimentação, exercícios físicos, cremes, água, muita água e ela até que dá uma disfarçada. Mas para combater esse grupinho do mal qualquer uma precisa de reforço: e é aí que entra o Manthus, um tratamento estético progressivo que começa a mostrar resultados logo entre a primeira e a terceira sessão. A novidade está no processo de eletroporação feita através de um aparelho de ultrassom, totalmente indolor.

Técnica também é indicada para pós-operatórios

De forma diferente dos métodos de enrijecimento do músculo, o Manthus ataca a celulite, combate a flacidez em qualquer parte do corpo e reduz as medidas através da eletroporação, uma forma de penetrar na pele e fazer com que a gordura acabe sendo eliminada pela urina e pelas fezes. O mínimo recomendado é de 10 sessões, de 30 minutos cada, mas antes mesmo da terceira sessão normalmente já é possível ver resultados. O bom é que o tratamento também pode ser usado em casos de pós-operatórios, inclusive nos de cirurgias plásticas e de lipoaspiração, eliminando nódulos e agindo através da função de drenagem linfática.

Manthus faz com que a gordura fique fluídica

A celulite na verdade é um inchaço que toma conta do tecido adiposo lá embaixo na hipoderme, a terceira camada de pele. Apesar de ser tão “escondido”, esse inchaço é forte o suficiente para deixar aquelas ondulações na camada superficial da pele, principalmente nos lugares do corpo onde há mais acúmulo de gordura: bumbum, braços, seios, barriga e coxas. Como quanto mais gordura o tecido tiver mais comprimidos ficarão os vasos sanguíneos e mais difícil será a drenagem de líquidos, mais a celulite vai aparecer. O que o Manthus faz é, através do ultrassom, fluidificar a gordura e permeabilizar a pele de forma que vários princípios ativos penetrem até a hipoderme, desfazendo o inchaço e desmanchando a gordura.

Redução de medidas

Conforme a gordura vai sendo eliminada pela urina e pelas fezes as medidas também vão sendo reduzidas, assim como a flacidez. É preciso apenas prestar atenção em alguns casos em que a aplicação não é recomendada: não deve fazer quem tem ocorrência de varizes, ferida ou infecção na área que deverá ser tratada, e quem tem próteses, placas ou pinos metálicos. Ele também é contraindicado nos casos de gravidez, flebite, diabetes, colesterol alto, doença renal ou hepática, epilepsia, doenças cardíacas, paralisia e para quem faz uso do DIU.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).