5 Sinais de que Você está Envelhecendo e o Que Fazer

envelhecimento

Os tratamentos disponíveis para envelhecimento no Brasil oferecem excelentes resultados para quem busca manter a beleza e a juventude

Como em muitos lugares do mundo, o envelhecimento no Brasil não é exatamente algo muito desejado. Por mais que a passagem dos anos traga experiência e sabedoria, os sinais que ela deixa na nossa pele não costuma agradar muito às pessoas.

Felizmente, os primeiros sinais de que a pele não é assim mais tão jovem podem ser atenuados com alguns cuidados e uma série de procedimentos estéticos, que também ajudam a prevenir essas mudanças. Veja quais são esses sinais e o que fazer:

  1. Manchas escuras na pele

    manchas escuras

De repente, sua pele não tem mais o mesmo tom uniforme de antigamente, passando a apresentar algumas manchas escuras? O envelhecimento no Brasil, um país de clima quente onde as pessoas adoram se expor ao sol, realmente pode causar esse problema.

Além da radiação ultravioleta, que é capaz de causar manchas permanentes, as alterações hormonais da gestação também favorece o surgimento desse sinal da passagem do tempo, que indica que a pele em questão não é mais tão jovem.

A melhor forma de prevenção das manchas causadas pelo sol é o uso do protetor solar com FPS acima de 30 todos os dias. Porém, caso elas já tenham aparecido, é possível recorrer a alguns produtos e procedimentos estéticos.

Entre os cremes, são indicados aqueles que contêm ácido retinoico, glicólico, kójico e fítico, que podem ser utilizados em casa. Já nas clínicas e consultórios, podem ser realizados os peelings clareadores.

  1. Rugas e linhas de expressão

    rugas e linhas de expressão

De repente, você percebeu que está com algumas linhas no rosto quando você sorri ou faz alguma outra expressão, geralmente ao redor dos olhos? Os pés de galinha costumam ser as primeiras rugas a aparecer, geralmente em torno dos 30 anos.

A tendência a apresentar rugas tem influência genética, mas também pode aumentar quando temos o hábito de fumar, seguimos uma alimentação desequilibrada, tomamos sol sem nos proteger e abusamos do álcool.

Fórmulas tópicas com vitaminas C e E, ácidos e licopeno podem ajudar a melhorar o aspecto das linhas de expressão. Além disso, para as rugas dinâmicas (que aparecem somente com a contração muscular), também é aconselhada a aplicação de toxina botulínica.

O Botox paralisa o músculo que causa a ruga e deixa a pele mais lisa e jovem por quatro a seis meses. Depois disso, é necessário repetir o procedimento para continuar apresentando o efeito rejuvenescedor.

  1. Mudança na textura da pele

    pele seca

A passagem do tempo provoca alterações na hidratação da pele, fazendo com que a textura da cútis se modifique.  Enquanto peles mais claras e secas ficam mais finas e sensíveis, peles morenas, negras e oleosas tendam a ficar mais espessas.

Essa mudança também vem acompanhada por efeitos negativos sobre o brilho e o viço da pele, que perde sua vitalidade. Embora o consumo de pelo menos 2 litros de água por dia seja essencial, esse cuidado não é suficiente para amenizar esse problema.

A hidratação da pele também depende de uma alimentação saudável. Frutas, verduras e legumes são os alimentos que mais fornecem vitaminas e minerais para o combate do envelhecimento no Brasil e em qualquer parte do mundo.

Além disso, é necessário reforçar a hidratação e a nutrição da pele com produtos tópicos com vitamina C, ácido hialurônico e silício orgânico, de preferência formulados especialmente para o seu tipo de pele.

Nas clínicas e consultórios, as alterações na textura da pele podem ser combatidas com procedimentos como peeling químico e peeling de cristal, que promovem uma renovação das células e uma regeneração dos tecidos.

  1. Flacidez no rosto

    flacidez no rosto

Com a idade, nossa pele perde sua capacidade de produzir fibras de elastina e colágeno, que dão sustentação para a cútis. Como resultado, os tecidos perdem sua firmeza e ocorre uma perda dos contornos faciais, caracterizando a flacidez.

Pálpebras que ficam por cima dos olhos, bochechas caídas e a formação da papada (queixo duplo) são alguns exemplos dos efeitos da flacidez. Com isso, a pessoa começa a apresentar uma aparência constantemente cansada, mesmo que não se sinta assim.

O tratamento para a flacidez depende do grau e da localização do problema. Dependendo do caso, procedimentos estéticos como a radiofrequência, os fios de sustentação e o Sculptra podem oferecer excelentes resultados.

Casos de flacidez mais avançada, porém, podem necessitar de cirurgias plásticas, como a blefaroplastia (pálpebras), bichectomia (bochechas) e lifting facial.

  1. Perda de volume facial

    perda de volume

Outro sinal da passagem do tempo é a perda de volume facial, principalmente nas maçãs do rosto. Essa mudança se deve pela perda ou deslocamento da gordura que forma nossos contornos faciais e também pode ressaltar sulcos como o bigode chinês e olheiras.

Os melhores tratamentos para combater esse efeito são os preenchimentos faciais com ácido hialurônico, o MD Codes (injeções de ácido polilático) e o Sculptra.

É importante lembrar que o Botox não é capaz de tratar rugas profundas causadas pela perda de volume facial, pois elas não dependem da ação do músculo.

Consulte um médico de confiança

Existe uma infinidade de tratamentos para o envelhecimento no Brasil. Porém, para obter os resultados desejados, é necessário fazer uma avaliação presencial com um cirurgião plástico ou dermatologista de confiança para indicar os melhores procedimentos para o seu caso. A Clínica de Cirurgia Plástica da Dra. Luciana Pepino irá te auxiliar com o procedimento adequado. 

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).