Bebês têm habilidade para reconhecer faces atraentes

Bebes reconhecem rosto bonito

Percepção de rosto bonito é determinada pelo cérebro já no momento do nascimento

Um rosto bonito inegavelmente atrai olhares e chama a atenção e, de acordo com a ciência, essa percepção está presente não apenas nos adultos, mas também em bebês com poucos dias de vida.

A percepção da beleza é algo ao mesmo tempo pessoal e social, mas segundo estudos atuais também tem relação com uma sensação de atratividade formada no cérebro antes mesmo de nascermos.

A seguir entenda mais sobre como a nossa percepção da beleza é formada e também como alguns estudos mostram a relação entre cérebro e sociedade na opinião de que um rosto é bonito.

Como funciona a percepção de beleza?

Antigamente, acreditava-se que a beleza era algo inerente às coisas do mundo e própria das obras de arte, objetos, paisagens e pessoas.

No entanto, estudos sobre o tema demonstraram que a percepção de beleza é algo subjetivo e criado pelo homem ao observar e contemplar o mundo que o cerca. É, portanto, uma construção mental resultante de percepções, emoções, sentimentos e conhecimento.

Assim, apreciar a beleza de algo é resultado da experiência pessoal e educação. Isso explica o fato de que algo pode ser bonito para uma pessoa e não para outra. É o que justifica sentimentos muitos distintos ao observar obras de arte, por exemplo.

A percepção da beleza é decorrente da expressão do prazer que nasce inconscientemente ao contemplar algo.

Esse prazer ocorre devido à interação entre o córtex cerebral humano e o cérebro emocional, o que explica que a percepção da beleza é uma característica exclusiva do entendimento e da compreensão humana, não sendo compartilhada com outros animais.

Verifica-se assim um primeiro fato inegável, a percepção de beleza tem origem no cérebro e não nas coisas em si. Um rosto bonito é porque os demais o percebem assim. Mas existem mais dados por trás disso.

O que os estudos dizem sobre um rosto bonito?

Um estudo sobre beleza facial foi publicado na revista especializada Personality and Social Psychology Bulletin. Os pesquisadores conduziram uma série de experimentos utilizando rostos masculinos e chegaram a algumas conclusões interessantes.

As descobertas indicam que as expressões faciais influenciam bastante a percepção de características como confiabilidade, simpatia ou calor humano, porém, não interferem na percepção sobre capacidade física, como a força.

No entanto, a estrutura facial influencia mais a percepção sobre capacidade física do que sobre as características do indivíduo, por exemplo, ao ter uma face larga.

Pessoas com expressões mais simpáticas foram indicadas pelos participantes como mais confiáveis como gestores financeiros, enquanto pessoas com a face mais larga eram indicadas como melhores em atividades físicas, como atletas.

A pesquisa demonstra, portanto, que as características da face influenciam até mesmo a carreira, pois um rosto bonito pode ter facilidade para adquirir determinados tipos de oportunidades e incentivos por transmitir mais aptidão na área.

A face, portanto, influencia como é a percepção e a interação das demais pessoas. No entanto, as expressões faciais, que podem mudar de acordo com o momento, também interferem nessa percepção.

Pais e bebê

Bebês têm percepção sobre beleza

Outro estudo, bem mais curioso, refere-se às preferências de bebês recém-nascidos quanto a estética facial.

A pesquisa realizada na Universidade de Exeter mostrou fotos de um rosto considerado atraente e um menos atraente para recém-nascidos e a conclusão foi de que os bebês passavam 80% do tempo admirando a face mais atraente.

A conclusão do estudo foi de que os bebês nascem com uma representação muito detalhada do rosto humano que os ajuda a reconhecer os rostos familiares, especialmente das mães, e aprender sobre o mundo social.

Apesar de terem a visão desfocada logo ao nascer, em menos de 15 horas os bebês já são capazes de distinguir o rosto da mãe em relação ao de outras mulheres.

Portanto, esse estudo demonstra que a atração não está apenas nos olhos, mas no cérebro dos recém-nascidos, provavelmente, antes mesmo do nascimento, pois o estudo incluiu bebês com algumas horas de vida.

Assim, além da construção social do padrão de beleza, as pesquisas indicam que essa percepção é intrínseca ao universo humano e está presente desde o nascimento.

Os estudos mostram como é importante preocupar-se com uma estética mais agradável e um rosto bonito inclusive para transmitir segurança, credibilidade e ter melhores relações pessoais e profissionais.

Portanto, conclui-se que realizar procedimentos estéticos para deixar a sua face mais harmônica pode contribuir em diversos aspectos da sua vida.

 

Agende agora a sua consulta!

 

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).
WhatsApp Clique aqui e fale conosco via WhatsApp