11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

Quais são as doenças de pele mais comuns no inverno?

Mulher com roupas de frio na neve

Saiba quais são os problemas de pele mais frequentes relacionados ao frio e como é possível evitá-los.

Você já percebeu que no inverno a pele fica mais irritada? É fato que algumas doenças de pele tendem a manifestarem-se e serem mais intensas nesse período, exigindo cuidados adicionais durante o frio.

Entre os fatores que contribuem para que as doenças na pele intensifiquem-se no inverno destaca-se a redução da oleosidade natural da pele, que normalmente a protege de bactérias, fungos, vírus e outros agentes responsáveis pelas alergias.

Além disso, no inverno o suor é menor, fazendo com que as células produtoras de gordura trabalhem menos. Esse processo é favorecido pelos banhos mais quentes e demorados, o que reduz a proteção da pele e a torna mais ressecada e irritada.

Por fim, as doenças na pele no inverno são favorecidas pelo menor consumo de água, fazendo com que o organismo fique menos hidratado. A seguir, conheça 5 ocorrências mais comuns nessa época e como preveni-las.

5 doenças de pele mais comuns no inverno

Como visto, diversos aspectos relacionado com as temperaturas frias do inverno estão relacionados com o aumento das doenças de pele nesse período. A seguir destacamos 5 ocorrências comuns da estação.

1. Eczemas

Os eczemas podem ser provocados por fungos ou alergias, afetando desde bebês até adultos. Entre os sintomas estão coceira, manchas brancas e erupções vermelhas na pele.

Normalmente em bebês essa doença de pele causa erupções vermelhas no rosto, couro cabeludo, orelhas, braços e pernas. Nas crianças maiores as principais regiões afetadas são joelhos, pulsos, cotovelos e tornozelos.

Uma forma de prevenir o surgimento de eczemas é por meio da hidratação constante. Caso os sintomas apareçam, o recomendado é procurar ajuda médica especializada.

2. Dermatite seborreica

Em geral, a dermatite seborreica afeta o couro cabeludo que é mais oleoso, mas a doença pode atingir outras áreas com pelos, como axilas, peito e pernas. Ela pode causar desde caspa até escamação amarela e sintomas como:

  • manchas vermelhas na pele;
  • pele gordurosa e inchada;
  • coceira e queimação.

Caso essa condição ocorra o tratamento envolve uso de produtos anticaspa, como cremes e shampoo. No entanto, se houver um agravante da condição a recomendação é procurar um médico especializado.

3. Dermatite atópica

A dermatite atópica consiste em uma alergia crônica que ocorre devido à falta de hidratação na pele. Entre os sintomas dessa condição destacam-se o surgimento de manchas vermelhas, coceira e lesões que podem formar crostas e exalar secreções.

Nos bebês essa doença manifesta-se principalmente no rosto, pernas e braços. Nas crianças e adultos as regiões mais afetadas são as dobras do corpo, como pescoço, joelhos e cotovelos.

A prevenção dessa doença de pele inclui evitar banhos quentes, hidratar bem a pele e usar sabonetes neutros.

Mulher com metade do rosto dentro do cachecol

4. Psoríase

A psoríase é uma das doenças de pele mais conhecidas e tem características crônicas e cíclicas, aparecendo e desaparecendo em intervalos irregulares. Entre os indícios da condição destacam-se:

  • manchas vermelhas na pele com escamas esbranquiçadas;
  • pequenas manchas brancas ou escuras depois de lesões;
  • pele ressacada e rachada;
  • coceira, dor e queimação;
  • unhas grossas e descoladas;
  • inchaço e rigidez nas articulações.

Em geral, essa condição clínica exige acompanhamento médico, podendo o tratamento demandar diferentes condutas para um melhor resultado.

Veja também: Prepare sua pele para o inverno! Aprenda essas dicas infalíveis

5. Ictiose vulgar

Essa doença de pele é mais comum em bebês, surgindo, geralmente, no primeiro ano de vida. Entre os sinais destacam-se o ressecamento e descamação da pele, principalmente no rosto, membros e couro cabeludo.

Apesar de ser recomendado o acompanhamento médico, a doença costuma regredir com o passar dos anos, assim como os sintomas associados.

Como prevenir as doenças de pele no tempo do frio?

Apesar de algumas doenças de pele não poderem ser completamente evitadas e prevenidas, os bons hábitos diários ajudam a minimizar as chances ou fazer com que elas desenvolvam-se de maneira menos agressiva. A seguir conheça os principais cuidados com a pele:

  • evite tomar banhos muito quentes e demorados, sendo que a temperatura recomendada nesse período é até 38º;
  • após o banho utilize uma toalha macia para secar-se, dando atenção especial às dobras do corpo, como entre os dedos;
  • não utilize buchas vegetais, esponjas, cremes ou sabonetes de banho com grãos para esfoliação, pois eles retiram ainda mais as proteções naturais do corpo;
  • use protetores labiais específicos para hidratação visando evitar o ressecamento labial que é comum nesse período;
  • use filtro solar diariamente, mesmo em dias nublados;
  • use o hidratante corporal após o banho, preferencial aproveitando o vapor gerado que torna a absorção mais eficaz;
  • realize procedimentos estéticos nesse período.

Além desses cuidados específicos com a pele, manter a saúde é essencial. Entre os hábitos benéficos destacam-se o consumo regular de água, boa alimentação e prática de atividades físicas.

Com esses cuidados tanto com a pele quanto com a qualidade de vida é possível minimizar as chances de desenvolver as doenças de pele no inverno. Caso os sintomas estejam presentes é fundamental procurar um médico especializado com urgência.

Saiba que todo procedimento envolve riscos. Consulte sempre um médico.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).