Estrias e gravidez: você não precisa passar por isso

O estiramento dos tecidos rompe as fibras de colágeno e elastina e dá origem às estrias. Conheça os cuidados para prevenir esse problema e os tratamentos para recuperar a pele.

O bebê vai se desenvolvendo, a barriga começa a aumentar de tamanho e logo surgem as preocupações com as mudanças pelas quais o corpo passa durante a gestação. Como estrias e gravidez geram muitas dúvidas nas mamães, hoje nós vamos conversar sobre esse problema.

Estima-se que 70% a 90% das mulheres apresentam estrias durante a gestação, e essas marcas acabam causando muita insegurança em relação à própria aparência. Contudo, existem formas de prevenção e tratamento desses sinais para que você não precise passar por isso.

Estrias e gravidez: como prevenir

O estiramento da pele na gestação favorece o surgimento das estrias principalmente na barriga, seios, parte interna das coxas e flancos. Conheça os principais cuidados que você deve seguir para evitar esse problema:

  1. Ter controle sobre o ganho de peso

Quando o assunto é estrias e gravidez, a primeira medida a adotar é manter um bom controle sobre o ganho de peso, limitando-o a 10 a 15 kg em média. Essa, porém, é uma recomendação geral, que pode ser diferente para cada mulher, e somente o obstetra poderá confirmá-la.

Quando a gestante ganha peso em excesso, sua pele precisa se esticar ainda mais para acomodar o novo volume do corpo. Isso pode fazer com que o tecido ultrapasse sua capacidade elástica e as fibras se rompam, gerando as estrias.

Por isso, as gestantes devem seguir uma alimentação saudável para suprir todas as necessidades do bebê, mas sem que a dieta estimule o acúmulo de peso. Além disso, deve-se adotar uma rotina de atividades físicas com orientação médica.

estrias e gravidez
  1. Investir em alimentos que protegem contra as estrias

Uma alimentação equilibrada consiste em dar preferência a verduras, legumes, frutas, cereais integrais e carnes magras. Porém, mais do que isso, quando falamos em estrias e gravidez, é preciso investir em alimentos que melhoram a qualidade da pele.

Um exemplo são os alimentos ricos em vitamina C, como frutas cítricas, vegetais de folhas verde-escuras e batata, pois esse nutriente tem um poderoso efeito antioxidante e é necessário para a formação do colágeno.

A vitamina E também é essencial, pois ela protege a membrana das células e combate os efeitos dos radicais livres. Esse micronutriente é encontrado em alimentos vegetais verdes, nozes, castanhas, óleos vegetais, cereais integrais e gema de ovo.

  1. Tomar muita água

A hidratação do corpo é fundamental para que ele possa executar todos os seus processos, inclusive para manter a integridade da pele durante a gestação. Por isso, durante esse período, a mulher deve consumir cerca de 2,5 litros de água por dia.

Novamente, esse número se trata de uma média, pois as necessidades de cada gestante variam conforme suas características, e somente o médico poderá dar uma orientação mais precisa.

Para quem sente dificuldade para beber água, a dica é recorrer às águas saborizadas. Inclusive, muitas gestantes relatam que a água com limão ajuda a aliviar os enjoos matinais, acrescentando mais um benefício.

  1. Escolher roupas íntimas adequadas para essa fase da vida

O aumento do volume do útero e dos seios promove uma carga extra sobre a pele, exercendo uma pressão cada vez maior para baixo. Em consequência, a pele tende a ficar mais flácida e a se esticar além do limite, dando origem às estrias.

Uma forma de amenizar esse problema é usando roupas íntimas que deem suporte adequado para essas regiões, como os sutiãs e calcinhas apropriados para gestante. Essas peças oferecem mais sustentação sem apertar demais.

Algumas mulheres recorrem às cintas para dar mais suporte à barriga. Essa pode ser uma alternativa válida, mas é preciso que haja orientação médica na escolha de uma peça que não aperte a barriga nem prejudique a circulação. Saiba mais sobre as cintas modeladoras.

  1. Hidratar a pele com cremes e óleos todos os dias

Uma pele bem hidratada fica menos suscetível ao rompimento das fibras, o que ajuda a evitar as estrias. Para conseguir esse efeito protetor, é necessário hidratá-la com produtos específicos para o período da gestação.

Geralmente, são indicados cremes que contêm vitamina E, lactato de amônia, ureia, colágeno, elastina, lanolina e óleos vegetais, como o óleo de amêndoas e de semente de uva. Os produtos devem ser aplicados duas vezes ao dia, acompanhados por uma massagem.

Um aviso: evite aplicar cremes e óleos nos mamilos, pois a pele pode ficar ainda mais sensível a fissuras durante a amamentação.

estrias e gravidez

Tratamentos para estrias depois da gravidez

Quanto mais a gestante se dedicar aos cuidados, menos sujeita ela estará ao surgimento das estrias. Contudo, mesmo seguindo todas as dicas de prevenção, é muito difícil que a mulher atravesse toda a gestação sem o surgimento dessas marcas.

Felizmente, existem diversos tratamentos para recuperar a qualidade da pele e suavizar a aparência das estrias. Conheça os principais:

  • Produtos com ácido retinoico: promovem uma descamação da pele e estimulam uma nova cicatrização, reorganizando as fibras. Não devem ser utilizados durante a gravidez;
  • Peeling químico: consiste na aplicação de substâncias ácidas para estimular a descamação e a regeneração da pele, melhorando a aparência das estrias;
  • Peeling de cristal: promove a descamação por meio de uma esfoliação mecânica, estimulando a produção de colágeno;
  • Luz pulsada e laser: promovem o aquecimento da pele, aumentando a produção de colágeno. A luz pulsada funciona melhor para estrias avermelhadas (jovens), enquanto o laser pode tratar também as estrias esbranquiçadas (antigas);
  • Dermoabrasão: consiste em fazer uma raspagem nas camadas mais superficiais da estria, estimulando um processo de cicatrização com uma maior organização das fibras;
  • Subcisão: utiliza agulhas para romper as fibras dentro das estrias, o que promove a reorganização do tecido fibroso;
  • Carboxiterapia: consiste na injeção de gás carbônico direto na estria, o que aumenta a produção de colágeno e estimula o surgimento de novos vasos, que levarão mais oxigênio e nutrientes para a região tratada.

Alguns tratamentos podem não ser indicados durante a amamentação, por isso é necessário conversar com o médico antes de optar por um destes procedimentos. Agende sua avaliação com a Dra. Luciana Pepino para descobrir a melhor opção para você e aproveite para conhecer as diversas opções de procedimentos estéticos e cirurgias plásticas!

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).