11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

Próteses de Silicone e Amamentação

Tem implante e quer amamentar? Fique tranquila, o silicone não interferirá no aleitamento do seu filhão. Saiba por quê.

O silicone, por um lado, faz bem à autoestima da mulher. Beneficia seus relacionamentos sociais, a deixa mais confiante e segura. O aleitamento, em contrapartida, estreita vínculos com o bebê. É o melhor e deve ser o único alimento nos primeiros meses de vida. Fonte de nutrientes e de reforço para o sistema imunológico. Essencial para um desenvolvimento saudável.

Mas será que a prótese mamária e o aleitamento materno são compatíveis? A mulher que colocou próteses de silicone pode amamentar normalmente? Será que há interferência do silicone no sabor do leite ou do leite na posição do silicone?

Fique tranquila!

As perguntas são tantas e tão comuns que povoam a imaginação feminina de quem quer ou já tem prótese mamária e se preocupa com a amamentação de seu filhote. Mas, desde que colocada adequadamente, não há qualquer empecilho ou interferência no aleitamento materno, e a mamãe pode sentir-se plenamente feliz e tranquila.

A cirurgia para aumento dos seios através da colocação de próteses de silicone é hoje o procedimento cirúrgico mais feito em todo o mundo. Só no Brasil, de acordo com pesquisa da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), houve um aumento de 41% nos últimos cinco anos.

Normalmente o implante de silicone é colocado embaixo da glândula mamária ou embaixo do músculo peitoral, e em nenhum dos casos há qualquer tipo de interferência na produção de leite. No processo de cicatrização a prótese de silicone fica dentro de uma cápsula fibrosa criada pelo corpo e desta forma completamente separada da glândula mamária, por isso não há qualquer contato com o leite, ou seja, também não há qualquer interferência em seu sabor.

Prótese Mamária

Outros procedimentos

Falamos das cirurgias que apenas implantam a prótese. Porém nos casos de levantamento, como a mastopexia ou redução da mama como a mamoplastia redutora. Onde algumas vezes a prótese também pode ser usada. Ela ainda assim não estará em contato com o leite, mas a técnica para estes tipos de cirurgias.

Nas quais muitas vezes grande parte do tecido mamário é retirado ou mesmo há um deslocamento grande da aréola. Algum tipo de prejuízo na amamentação pode ocorrer, dependendo do caso. Mas a prótese nunca é a culpada nesses casos.

É importante que a colocação seja feita com cirurgiões devidamente especializados e membros da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

No entanto, após a gravidez uma mama com prótese comporta-se da mesma forma que uma mama sem ela: da mesma forma que aumentou. Ela regride após a amamentação e, também como qualquer outra, pode haver alguma flacidez do tecido.

Nestes casos a solução pode estar em retirar o excesso de pele ou em aumentar o tamanho da prótese. De qualquer forma, as futuras mamães podem ficar tranquilas, porque é possível exercer ambos os direitos, o de ser bela da forma que deseja e mãe em toda a sua plenitude.

Você também pode gostar de: Qual é o tempo ideal para trocar de prótese?


CTA e-book Mitos e Verdades sobre Protese Mamaria baixe aqui

 

Saiba que todo procedimento envolve riscos. Consulte sempre um médico.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).