Verão: Os riscos de correr no verão

Correr durante o verão exige muitos cuidados. Saiba quais!

Ultimamente, a prática da corrida vem crescendo bastante e o número de novos atletas tende a aumentar ainda mais na época mais quente do ano. No verão é comum ver maratonistas ou corredores amadores começando a adaptar-se à prática nas ruas, parques e academias. Enquanto uns correm por gostarem ou para terem uma vida mais saudável, outros adotam a prática para conseguir perder peso e conquistar o corpo ideal. Quem já corre há mais tempo e é mais experiente no assunto sabe dos cuidados que se deve ter em épocas em que as temperaturas sobem e os riscos aumentam. No entanto, muita gente deixa para aproveitar o calor e começar a correr exatamente nesse período do ano, e, como consequência, enfrentam uma série de problemas que vão muito além das conhecidas lesões ou problemas cardiovasculares. Hoje, listaremos os problemas mais frequentes enfrentados por quem não se cuida durante o período de verão.

Desidratação

Essa é uma das vilãs do verão! A desidratação parece algo simples e inofensivo, mas pode levar à perda da consciência ou até ao coma. Ela três estágios e é preciso prestar atenção aos sinais do corpo. No primeiro estágio – leve – é comum sentir pele e boca mais secas. No segundo estágio – moderado – tem-se dor de cabeça, tontura, fadiga ou sonolência. No último estágio – grave – a pessoa pode apresentar respiração pesada, pele fria, cãibras musculares, vômitos, desmaios ou vertigens, entre outros sintomas.

Como evitar a desidratação:
Quando se fala em desidratação só se pensa em uma coisa: água. O verão pede por uma hidratação mais intensa, que pode ser através da própria água ou de outros líquidos e alimentos com alto teor de água, tais como abacaxi, melão e melancia. Vale lembrar também que o ideal é beber, no mínimo, 2 litros de água por dia.

Insolação

Um dos principais males da estação, a insolação acaba pegando muita gente descuidada no verão. A insolação é, resumidamente, o conjunto de sintomas causados pela exposição excessiva à luz solar. Com isso, a temperatura do corpo aumenta além do limite fisiológico e, mesmo através da transpiração, não é possível conter o calor, o que pode danificar o cérebro ou uma série de órgãos vitais do indivíduo. Como principais sintomas tem-se: falta de ar, vômito, pele avermelhada ou ressecada e pulsação acelerada.

Como evitar a insolação:
A resposta é simples e previsível: não fique muito tempo exposto ao sol. Além de estar sempre equipado com bloqueadores solares e muita água, se for necessário, faça uso de chapéus ou tecidos finos.

Cãibra

As cãibras também estão na lista dos problemas mais comuns enfrentados por corredores nessa época do ano. Elas podem iniciar em qualquer atividade física e, com as altas temperaturas, a corrida exigirá maior perda hídrica, diminuindo também os eletrólitos, como é o caso do sódio (hiponatremia). Quando acaba a fonte de glicogênio, o organismo usa o sódio do músculo e isso causa uma espécie de irritabilidade nas terminações nervosas, provocando um estresse na região e estimulando os músculos a se contraírem espontaneamente: cãibras.

Como evitar a cãibra:
O ideal é sempre alongar-se antes de praticar qualquer esporte, principalmente se tratando de um esporte de grande impacto para o corpo como a corrida. Além disso, se você estiver há algum tempo sem correr, comece de forma gradual e tenha paciência no início. É muito melhor esperar que o corpo adquira mais resistência para depois ir intensificando a corrida do que começar com pressa e ter de parar por lesões.

Outras dicas importantes:

Atenha-se aos horários

Apesar de a corrida poder encaixar-se na rotina do corredor, no verão, não é recomendado correr durante a tarde. Isso porque geralmente, entre 10h e 16h, a temperatura atinge seu pico e, com isso, aumentam também os riscos para os corredores. O ideal é correr durante a manhã, quando o sol está mais ameno, ou mesmo à noite, que durante as épocas mais quentes dificilmente esfria. Dessa forma, tem-se um melhor desempenho nos exercícios e o corredor não fica vulnerável aos riscos trazidos pela insolação.

Não exagere

Não é porque você quer perder X quilos ou ficou o ano inteiro sem correr que precisa recuperar o tempo perdido agora e começar correndo 10 km todos os dias. Quem faz isso não compromete só a saúde, mas dificilmente irá conseguir manter certa regularidade. Assim como tudo na vida, deve-se manter a boa e velha moderação. Se você está começando ou retomando a atividade, comece alongando-se e com uma boa hidratação – a atividade deve durar até 45 minutos e sua periodicidade deve ser de 2 a 3 vezes por semana, alternando os dias. O indicado é iniciar com caminhadas leves ou moderadas e, à medida que for se adaptando à atividade, ir aumentando a velocidade do exercício até conseguir dar os primeiros passos correndo. Isso pode levar semanas ou até meses, portanto, sem ansiedade. Além disso, você vai poder evitar uma série de complicações nos ossos, na postura, assim como lesões musculares e cãibras.

Verifique a umidade do ar

No verão, a umidade relativa do ar no Brasil pode alcançar 30%, com uma temperatura média de 30ºC ou mais. Com a umidade do ar mais baixa, recomenda-se evitar a prática da corrida ou qualquer outro exercício físico entre 11h e 15h. Além disso, deve-se evitar a exposição ao sol e beber bastante líquido.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).