Quando ter seios pequenos afeta sua vida social

Quando ter seios pequenos afeta sua vida social

Muitas mulheres que vêm à clínica para fazer o implante de próteses mamárias querem dar adeus aos seios pequenos e ao impacto que eles causam em sua autoestima.

E isso é mais comum do que imaginamos: de acordo com pesquisas, 70% das mulheres em todo o mundo são infelizes com seus seios.

Apesar de ainda ser encarado por muitas pessoas apenas como procedimento estético, os resultados deste tipo de cirurgia vão muito além da melhora na aparência física da paciente.

Quando seios pequenos afetam a saúde mental das mulheres

Dados como esses mostram uma realidade que nem sempre recebe a atenção que merece: para muitas mulheres, a relação com seus seios pode ter um impacto muito real em sua saúde mental.

Não é difícil de entender o porquê de tudo isso: a sociedade atual nos bombardeia com exemplos de um ideal particular. De forma que pensamos que qualquer coisa que não se encaixe nesse perfil está errada.

O problema é que boa parte desses exemplos é composto por imagens que não refletem a realidade. Além da manipulação das imagens, há também a questão do tipo físico de cada uma.

Não há seios iguais no mundo – nem entre eles, devemos confessar, já que todos somos um pouco assimétricos no geral.

Mas quando as mulheres chegam ao consultório, é comum que elas tragam sempre as mesmas referências – como as modelos da Victoria’s Secret.

Para muitas mulheres, o relacionamento com seus seios começa antes mesmo de tê-los. Meninas que desenvolvem seios tardiamente podem apresentar problemas de autoestima.

Já as adolescentes que se desenvolvem cedo podem reduzir sua identidade a isso. A aparência favorece a entrada em certos grupos sociais – e pode ser difícil resistir a toda essa atenção.

Muito além do aumento dos seios

É importante esclarecer que a correção dos seios pequenos com as próteses mamárias não cura todos os problemas.

A cirurgia de mama tem como função ajudar a mulher a fazer as pazes com seu corpo e sua autoestima – o que acaba refletindo também em seu equilíbrio emocional.

As mulheres hoje em dia buscam as próteses mamárias como uma forma de aumentar também sua qualidade de vida e sua autoestima. Além de uma maior segurança na vida sexual no pós-operatório.

É por isso que a consulta médica e escolher um bom profissional são detalhes tão importantes: dessa forma você pode se certificar de que suas expectativas são realistas.

É fundamental também ter a compreensão sobre a ampla variedade de tipos de próteses disponíveis no mercado.

A maioria das pacientes que chegam aos consultórios em todo o mundo não conhece de fato toda a variedade de tipos de seios que existem.

E, muitas vezes, traz referências que são irreais – como uma foto de revista que passou por manipulação de imagem ou alguma artista que está usando algum tipo roupa ou sutiã que aumenta o colo.

Além disso, há também a questão do tipo físico – os seios que ficam bem naquela atriz de Hollywood podem não funcionar tão bem em uma atleta. Ambas são lindas, com corpos enxutos e exemplos de inspiração, mas com biotipos diferentes.

O mesmo acontece com as mulheres da vida real: há sempre um tipo de prótese mamária que vai funcionar com o seu tipo físico e com as suas expectativas pós-cirúrgicas.

Foi pensando nisso que desenvolvemos um book completo sobre os mais diversos tipos de próteses e suas aplicações de acordo com as características físicas de cada mulher.

Assim você pode saber mais sobre as diferenças entre cada opção e chegar ao consultório com mais informações e com uma percepção real dos resultados que pretende ter.

Adeus seios pequenos! Para conhecer este conteúdo exclusivo, clique aqui e acesse nosso E-book.

 book de protese mamaria

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).