11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

Preenchimento labial

Temporário ou definitivo? Veja como ele realmente funciona e como evitar o famigerado efeito “bico de pato”

Tudo bem, que atire a primeira pedra quem nunca pensou que poderia ter nascido com a boca da Angelina Jolie ou que nunca passou pela cabeça dar uma incrementada nos lábios quando percebeu que já não eram os mesmos de há 20 anos? Esse pode ser um assunto apenas entre você e o seu espelho ou não – afinal tanto se fala (e se vê, também, é verdade) sobre resultados desastrosos do preenchimento labial que muita gente tem medo de tomar uma atitude para melhorar e acabar se transformando em piada sem jeito de conserto. Mas vamos ser sinceros: a boca, um dos maiores símbolos de sensualidade, tão importante não só nos momentos de conquista, mas também como apresentação na vida profissional, merece um carinho especial, um tratamento que a mantenha sempre bonita e jovem, como o preenchimento labial. Desde que bem feito, é claro.

Preenchimento, rejuvenescimento, essas duas palavras andam juntas para a maioria de homens e mulheres que, próximo aos 40 anos, percebem que os lábios estão mais finos, caídos, mudando a fisionomia de forma significante. Claro, a boca envelhece como qualquer outra parte do corpo e começa a perder o contorno, que pode, sim, ser recuperado de forma bastante suave e discreta, coma aplicação de ácido hialurônico. Não, não é botox, como muita gente pensa, na boca são utilizadas outras substâncias que devolvem o aspecto original aos lábios ou os aumentam um pouco mais, principalmente quando eles são muito finos e comprometem a estética facial. No entanto é preciso alguns cuidados para que a harmonia do rosto não seja comprometida.

Esses cuidados muitas vezes passam pelo bom senso, de pacientes e médicos. Antes de mais nada é preciso que o candidato ao preenchimento tenha noção dos limites do seu próprio corpo, que a boca da Angelina Jolie, por exemplo, fica linda nela, na Angelina, mas não significa que ficará bem em você. Por outro lado, é necessário avaliar a técnica que será utilizada: a mais indicada é o preenchimento temporário com gel a base de ácido hialurônico, totalmente compatível com o corpo e que garante um resultado mais natural. Preenchimentos profundos feitos com outras substâncias podem ser perigosos, principalmente para evitar aquele temido efeito “bico de pato”. E aí entra outra questão: a escolha do profissional. Procure sempre médicos especializados, com experiência comprovada. O procedimento jamais poderá ser feito em casa e muito menos por pessoas não habilitadas.

Para fazer o preenchimento não há necessidade de internação, ele pode ser feito no consultório após a aplicação de anestesia na gengiva. O preenchimento deve ser feito levado em consideração o contorno natural dos lábios e seus movimentos, sem exageros, com responsabilidade e competência. Cerca de 48 horas  após a regressão do inchaço,  o efeito final já começa a aparecer e, de acordo com o metabolismo, pode durar entre seis e 10 meses (até 12 meses)

Existem ainda outras formas de preenchimento labial, como o enxerto de gordura do próprio paciente retirada através de lipoaspiração, e o preenchimento definitivo, com a injeção de substâncias sintéticas. Converse com o seu médico e descubra com ele qual o procedimento mais indicado para o seu caso.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).