11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

Por que dietas restritivas demais nunca são uma boa opção?

Dietas restritivas podem gerar danos a saude

Dietas restritivas apresentam riscos à saúde e não entregam resultados estéticos esperados. Conheça os perigos dessa opção e como perder peso de forma saudável.

Provavelmente se você está em busca de alternativas para perder peso já se deparou com pelo algumas opções de dietas restritivas com a promessa de emagrecer rapidamente.

As dietas restritivas podem sim viabilizar a perda de peso, mas existem várias armadilhas nesses métodos que fazem com que os resultados estejam longe do esperado. Entenda melhor a seguir!

Como é a perda de peso em dietas restritivas?

Existem diversas opções de dietas com muitas restrições que prometem a perda rápida de peso. Geralmente, elas indicam a remoção completa e abrupta de um grupo alimentar, como carboidratos ou proteínas.

Algumas outras incluem a dieta da sopa, dieta da fruta, dieta de suco detox, de papinha de bebê ou mesmo o jejum intermitente que inclui períodos do dia ou da semana sem comer.

Independentemente do tipo de dieta restritiva elas tem algo em comum, a perda de peso é resultante da perda de massa muscular e não de gordura. A redução do peso também pode estar relacionada à falta de água (desidratação) visto que até 60% do peso corporal é devido aos líquidos.

A questão é que na ausência de uma alimentação que garanta a quantidade diária de energia necessária, o organismo começa a usar suas reservas energéticas, estrategicamente armazenadas para momentos de emergência.

Quais os riscos das dietas restritivas?

Quando a alimentação diária não dá conta da reposição de energia e nutrientes, o corpo usa suas reservas apenas para atividades essenciais, de forma que processos secundários (como crescimento de cabelo, hidratação cutânea e outros) serão temporariamente deixados de lado.

Como consequência, após alguns dias ou semanas de dieta restritiva o organismo começa a manifestar seu incomodo com diferentes sintomas, como:

  • queda de cabelo;
  • unhas frágeis;
  • ressecamento da pele;
  • problemas para dormir;
  • dores de cabeça;
  • fraqueza, fadiga, tontura e até desmaios;
  • irritabilidade e alterações de humor;
  • alterações no ciclo menstrual;
  • anemia e maior suscetibilidade a doenças.

Também existem sintomas específicos de uma dieta com restrições demasiadas de calorias, como gota, queda da pressão arterial e ritmo cardíaco, com surgimento de doenças cardíacas, e desenvolvimento de cálculo biliar.

Se mesmo com todos esses possíveis sintomas das dietas restritivas você ainda pensar que “esteticamente vale a pena”, não é verdade.

A monotonia alimentar (falta de variedade de alimentos) desestimula a continuidade da dieta e aumenta as chances de compulsão alimentar.

Além disso, devido ser muito restritiva, você invariavelmente terá que ampliar a variedade alimentar em algum momento e, seu organismo, preocupado com tamanha restrição, estará ansioso para criar novas reservas energéticas.

Com isso, as chances do efeito sanfona e ganhar peso rapidamente após a dieta são muito maiores, fazendo com que a perda de peso decorrente das dietas restritivas seja temporária.

Como perder peso com a mudança alimentar?

A mudança alimentar é um dos hábitos mais importantes na perda saudável e estável de peso, portanto, um dos passos fundamentais em direção ao peso desejado e também mais saúde.

Para que isso seja realmente possível e a alimentação viabilize a perda de peso saudável é fundamental investir em uma reeducação alimentar e não apenas em uma dieta.

Isso significa que nenhum grupo alimentar deve ser removido da sua alimentação, especialmente de forma abrupta. Também revela que nenhum alimento precisa ser excluído, mas que precisa haver balanceamento nas escolhas.

Recomenda-se, portanto, fazer alterações diárias e contínuas, como incluindo mais frutas, legumes, verduras, cereais e integrais no dia a dia. Prefira carnes magras, oleaginosas e temperos naturais.

Outra dica é reduzir – e não eliminar – as frituras, açúcares, sódio em excesso, gorduras, processados e ultraprocessados.

Com essas mudanças na alimentação aos poucos você vai conseguir perder peso. Ainda que seja de forma mais lenta do que em relação às dietas restritivas, será mais estável e com menores chances de reveses como o efeito sanfona.

Saiba que todo procedimento envolve riscos. Consulte sempre um médico.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).

Deixe aqui seu comentário

*