11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira das 8h às 21h
Sábados das 10h às 14h

Riscos de realizar o peeling facial com qualquer profissional

Mulher após realizar o peeling facial

Procedimento apresenta diversos benefícios estéticos, mas profissional deve ser qualificado devido aos riscos da técnica

O peeling facial é um tratamento estético que ajuda na amenização de rugas, manchas, cicatrizes e acne. Devido aos amplos benefícios, a técnica é cada vez mais procurada e realizada no país.

Apesar das vantagens, é fundamental que a paciente que deseja fazer um peeling facial, seja químico ou físico, busque por um profissional qualificado, minimizando as chances de complicações e efeitos adversos. Saiba mais a seguir!

Como é feito o peeling facial?

O peeling é um procedimento que consiste na aplicação de agentes químicos que lesionam as camadas superficiais da pele para posteriormente promover a regeneração das células e gerar benefícios estéticos.

O tratamento pode usar diferentes agentes e adotar técnicas variadas, como ser superficial, médio e profundo. Quanto mais profundo é o peeling, mais ele é capaz de remover sinais difíceis, como cicatrizes e manchas, mas também se torna mais perigoso.

Além da profundidade do peeling facial, outro fator que influencia o grau de complexidade e riscos associados à técnica é o tipo de agente químico usado. Eles incluem:

  • fenol: usado para peeling profundo, pois afeta bastante a pele podendo amenizar rugas intensas. Devido aos efeitos colaterais demanda até mesmo avaliação cardiológica antes do uso;
  • ácido tricloroacético (ATA): usado em conjunto com outros agentes para peeling médio ajudando a amenizar rugas e cicatrizes;
  • ácido salicílico: usado no peeling superficial para amenizar rugas finas, manchas e acne;
  • solução de Jessner e ácido glicólico: podem ser usados no peeling superficial ou médio, sendo associado ao ATA para tratar rugas finas, manchas e acne;
  • ácido retinóico: mais usado em dermocosméticos, mas pode fazer parte também do tratamento para amenizar acne e melasma.

Verifica-se assim que são diversos os agentes químicos que podem ser usados no peeling facial, sendo a maior parte deles produtos com ácidos, o que gera riscos associados à realização do tratamento e necessidade de cuidados especiais.

Quais os riscos de realizar um peeling com um profissional não qualificado?

Devido aos produtos usados e a própria proposta do peeling de causar uma microdermoabrasão, ou seja, uma lesão na pele, o tratamento apresenta riscos que devem ser conhecidos pelas pacientes antes de realizar o procedimento.

O que ocorre é que esses riscos relacionados ao tratamento são ainda mais expressivos quando a pessoa realizando a técnica não é um profissional qualificado.

Um dos principais cuidados do peeling é na administração das substâncias químicas e a falta de qualificação, estudo e experiência podem comprometer o uso correto dos produtos.

Devido a isso, existem diversos riscos aumentados de realizar o peeling facial químico com um profissional não qualificado. Conheça a seguir.

Manchas

A prevenção de manchas após o procedimento depende da correta preparação da pele, o que nem sempre é considerado por profissionais desqualificados.

O surgimento de manchas pode ser gradual após a aplicação de um produto de forma indevida ou com tempo de aplicação superior ao recomendado.

Por exemplo, uma recomendação para reduzir as chances de manchas na pele após o procedimento, principalmente para pessoas com tons de pele mais escuros, é prepará-la com ácido retinóico por até um mês antes da técnica em si.

Infecções

A abrasão causada pelo peeling facial leva de 1 a 4 dias para melhorar e resultar na renovação das células. Durante esse período, a pele fica mais suscetível a infecções bacterianas, virais e fúngicas.

Mesmo no momento do tratamento em si pode ocorrer uma contaminação caso o profissional não utilize equipamentos devidamente esterilizados, além de luva e máscara.

Riscos de realizar o peeling com qualquer profissional

Queimaduras

Um dos quadros mais graves que podem ser resultantes de um tratamento de peeling inadequado são as queimaduras, que podem ser profundas no caso de um tratamento que seria mais intensivo.

As queimaduras se devem a manutenção do produto em contato com a pele por mais tempo do que o devido, causando não apenas a abrasão desejada, mas um comprometimento das camadas mais profundas da derme.

Entre os sintomas da queimadura facial incluem-se vermelhidão, ardência demasiada e sensibilidade. Nesses casos, é fundamental procurar um médico com urgência.

Cicatrizes

Antes da realização do procedimento alguns fatores devem ser avaliados pelo profissional, pois se a paciente tem tendência à formação de quelóide é possível que haja o surgimento de cicatrizes.

Esse tipo de ocorrência é mais comum no peeling facial profundo, que afeta mais camadas da derme.

Quais cuidados tornam o peeling mais seguro?

Apresentar os riscos do peeling, principalmente com um profissional não qualificado, não deve desencorajar a realização do tratamento, mas incentivar a paciente a ter mais seriedade na escolha.

O peeling facial é um aliado para que a pele fique renovada, mais lisa, firme, uniforme e radiante, portanto, fazê-lo pode ser muito benéfico. Para que o procedimento seja mais seguro, no entanto, alguns fatores devem ser considerados, como:

  • qualificação do profissional que realizará o peeling, optando por um dermatologista, fisioterapeuta com especialização em estética ou cirurgião plástico;
  • verificar a infraestrutura da clínica, optando por um local que segue todas as normas sanitárias;
  • buscar recomendações de conhecidos e na internet sobre a reputação da clínica e do profissional;
  • conversar com o profissional antes, informando problemas de saúde prévios, conhecendo as substâncias que serão usadas no peeling e os riscos associados;
  • realizar um teste de alergia com o produto antes da realização do procedimento;
  • ter informações adequadas sobre a recuperação após o procedimento, que inclui evitar exposição solar, quais produtos podem ser usados etc.;
  • ter acesso ao profissional após a realização da técnica para receber orientação e suporte caso haja alguma reação alérgica ou outras complicações.

Com esses cuidados na escolha do profissional que realizará o peeling facial e também buscando mais informações sobre o procedimento, você terá mais segurança e confiança na realização desse vantajoso tratamento estético.

 

Agende agora a sua consulta!

 

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).