Mitos e Verdades sobre Drenagem Linfática

Tanto se fala dela, mas muita gente ainda não sabe direito o que é mito e verdade a respeito da drenagem linfática. Descubra agora todos os benefícios dessa técnica de massagem!
Ela emagrece, ela não adianta nada. Ela é boa para as grávidas mas não fazem efeito nenhum sobre a celulite. Ela reduz os efeitos da TPM? Desde que a drenagem linfática começou a ganhar notoriedade, ela vive na boca do povo – e aí mitos e verdades se revezam e muita gente acaba nem sabendo direito o que ela é. A drenagem linfática é uma técnica de compressão do caminho feito pelos vasos linfáticos com as mãos, através de movimentos rítmicos, suaves, lentos e intermitentes em algumas áreas do corpo. Dessa forma, a ação do sistema linfático, que corre de forma paralela ao sistema sanguíneo, é potencializada, incentivando-o a remover o excesso de líquido dos tecidos, a produzir mais células imunológicas e a absorver a gordura dos tecidos. Claro, a drenagem linfática também relaxa que é uma beleza, mas será que só isso é capaz de produzir todos os efeitos que falam por aí? Descubra agora, sabendo o que é mito e o que é verdade.

Por exemplo, dizem que a drenagem linfática emagrece – e é puro mito. O que acontece é que conforme ela propicia a eliminação do excesso de líquidos estimulando a circulação sanguínea, ela reduz também os inchaços, e aí você reduz medidas. Só que essa redução é por causa da eliminação de líquidos, não de gordura, portanto não é emagrecimento. É como dizer que ela reduz os sintomas da TPM – e aí é a mais pura verdade. A TPM se caracteriza por alterações de humor, irritabilidade, inchaço, dor lombar, fadiga, enxaqueca e até aumento temporário de peso. O que a drenagem linfática faz é melhorar a circulação do sangue, prejudicada na TPM por causa do hormônio progesterona, que deixam os vasos mais grossos e sem elasticidade para levar o sangue a todo o corpo de forma eficiente. Com a drenagem o sistema circulatório começa a responder melhor, oxigenado mais as células e eliminando as toxinas que causam irritação e o excesso de líquidos que causam o inchaço. Os sintomas da TPM são automaticamente reduzidos.

Agora eliminar a celulite é outra história, aí não é mito nem verdade, porque depende de cada caso. A celulite em estado avançado, por exemplo, já é uma formação de nódulos causados por um processo crônico de má oxigenação dos tecidos que ocorre justamente por causa da retenção de líquidos. A drenagem linfática quebra esse ciclo quando a celulite está no início, mas a técnica não chega a ser capaz de, sozinha, eliminar os furinhos do estágio avançado. Mas é verdade que ela é ótima para processos de cicatrização, como os pós-operatórios, já que ela ajuda o processo de desintoxicação do sangue e acelera o metabolismo, potencializando o reparador de tecidos. Também é verdade que ela aumenta a função imunológica, já que uma das funções do sistema linfático é a produção de células imunológicas.

Ela faz bem à constipação intestinal – Verdade de novo, os movimentos as massagem favorecem o peristaltismo, os movimentos que o intestino faz para levar até o fim o bolo fecal. Além disso, ela melhora a velocidade e a absorção desse mesmo bolo, contribuindo para o fim da constipação. Mas a drenagem linfática não melhora a acne, isso é mito. Como ela ajuda a eliminar as toxinas do corpo, pode até haver uma melhora na pele de uma forma geral, mas o problema continuará lá e deve ser tratado por um dermatologista. Agora, há quem pense que a drenagem linfática pode afetar o bebê das gestantes, o que é outro mito. Na verdade, ao invés disso ela pode ajudar bastante as grávidas a perder líquido, minimizando os incômodos de mãos, pernas e pés inchados. No entanto, como tudo na gravidez, o médico que acompanha o pré-natal deve ser consultado antes.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).