11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

Como controlar a vontade de comer doces

Com essas dicas você finalmente vai parar de atacar os doces!

Durante o dia é normal sentirmos vontade de comer diversos alimentos e isso tem muito a ver não só com as nossas próprias vontades, mas também com a nossa condição física e mental, além dos estímulos, que podem acontecer quando estamos morrendo de fome e passamos por uma padaria, por exemplo. Essa vontade até certo ponto é normal e todo mundo a tem vez ou outra. Porém, não é incomum encontrar pessoas que são viciadas por chocolate, produtos à base de leite ou guloseimas cheias de gordura. Esse desejo compulsivo por doces pode ser um sinal de que seus níveis de açúcar no sangue estão fora de equilíbrio. Quando o nível de glicose está abaixo do ideal, nosso corpo começa a implorar por alimentos ricos em carboidratos ou açúcar a fim de tentar equilibrar de alguma forma suas fontes energéticas.

O que podemos fazer diante dessa condição? Primeiramente, ter consciência. Todas nós já sabemos que ficar comendo doce frequentemente nunca foi saudável e só faz engordar, não é mesmo? Estabilizar o nível de açúcar no corpo é fundamental para o equilíbrio entre corpo e mente e também para evitar outras complicações como diabetes tipo 2 e doenças cardíacas, por exemplo. Veja a seguir algumas dicas que vão servir como aliadas no controle do consumo de doces e ajudá-la a manter ou até perder peso.

1. Coma frequentemente

Já foi comprovado que fazer refeições menores e com mais regularidade ajuda a equilibrar os níveis de glicose no sangue, além de diminuir aquela vontade louca de comer doces. O café da manhã precisa ser a refeição mais recheada do dia, uma vez que é feita após um longo período de jejum durante o sono. Por isso, nunca deixe de tomar café da manhã, pois isso vai diminuir seus níveis de açúcar de forma forçada e, com a falta de energia, vem o desejo incontrolado de consumir alimentos ou bebidas açucaradas. Se você pula as refeições com o intuito de emagrecer, está cometendo 2 erros de uma só vez, já que nosso corpo acaba tomando isso como agressão e começará a estocar comida e dificultar a perda de peso.

2. Consuma proteína e cromo

A proteína ajuda a equilibrar os níveis de glicose no sangue e, portanto, se você começar a comer alimentos ricos em proteína em suas refeições principais e lanches ajudará a frear a queda dos níveis de açúcar e, consequentemente, terá menos vontade de comer doce. O indicado é consumir nozes, legumes, ovos, sementes, iogurte, carnes magras, peixes e queijo branco ou com baixo teor de gordura, além dos produtos de soja, que são ricos em proteína. Além das proteínas, o cromo também é divino! No caso do cromo, trata-se de um mineral que tem como característica estabilizar os níveis de glicose no sangue e, com isso, controlar o desejo por guloseimas. Você pode encontrá-lo em grande quantidade em cereais integrais, cogumelo, brócolis, tomate, cebola, soja, nozes, ervilha, batata, pão de centeio e trigo.

3. As fibras são obrigatórias

Geralmente quem come muito doce ou gosta de massas e alimentos hipercalóricos não tem afinidade ou familiaridade com as fibras. Na verdade, para quem tem esse tipo de problema, elas são extremamente importantes, até para ajudar a suavizar a bomba calórica e evitar consequências. O mais interessante das fibras é que elas são uma espécie de carboidrato que não é absorvida pelo nosso organismo e que regulam o intestino porque aumentam o volume das fezes, acelerando sua eliminação. Além disso, elas absorvem água e ajudam a limpar a gordura das artérias, evitando doenças como o câncer. Alimentos ricos em fibras são: pães granulados, cereais integrais, frutas e legumes em geral.

4. Pratique exercícios físicos

Sabemos que é chato ficar levando sermões, mas é preciso falar dos exercícios físicos, pois eles têm um papel mais do que importante na manutenção de nossa saúde. Sem eles, você pode mudar sua dieta e até parar de comer, mas não terá um corpo saudável e estará vulnerável a doenças. O fato é que quem gasta menos energia, precisa consumir menos calorias, mas o que acontece é exatamente o contrário. As pessoas que não são acostumadas a fazer exercícios físicos são as que mais exageram na alimentação. Isso talvez se dê também pelo fato de a prática de exercícios físicos estimular a liberação de hormônios responsáveis por aquela sensação de relaxamento e bem-estar, que é exatamente o efeito causado pelos doces, só que isso se dá de uma forma muito mais saudável, trazendo benefícios para o corpo todo.

5. Acalme-se antes de comer!

Muita gente acaba engordando e extrapolando nos doces por conta de doenças como ansiedade e depressão, por exemplo. Outra mania dos ansiosos é comer a comida rapidamente e estar com fome sempre que se sentem entediados. Esses distúrbios fazem com que o nível de serotonina e dopamina caiam e a pessoa fica refém dos doces, que são de fácil acesso e trazem prazer e relaxamento. Se você está experimentando períodos conturbados em sua vida e se deparou com estresse, ansiedade ou depressão, procure um especialista. Caso isso seja apenas um reflexo dos tempos agitados, pare um pouco e reflita se está feliz com a vida que está levando, além de frear um pouco o estilo de vida e dar mais tempo para o corpo relaxar. A saúde é sempre mais importante do que as conquistas, justamente porque sem ela não existimos. Então, não desconte nos doces! Uma dica que serve para muitas mulheres é sempre andar com porções de fruta na bolsa para matar a fome entre as refeições principais do dia.

Saiba que todo procedimento envolve riscos. Consulte sempre um médico.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).