Cintas modeladoras

Além do fator estético, as cintas modeladoras podem ajudar em processos pós-operatórios em cirurgias plásticas e outros procedimentos. 

Aliada da mulher, a cinta modeladora favorece o contorno e as curvas femininas, dando um toque especial a silhueta, que fica super modelada. Ela ainda ajuda na postura corporal correta, dando mais elegância a mulher e harmonizando o visual. Em processos pós – operatórios, as cintas auxiliam na compressão do corpo, ajudando os tecidos a não sofrerem traumas por conta da cirurgia. A compressão dos tecidos que estão abaixo da pele age diminuindo o acúmulo do edema, evitando a retenção de líquido, que podem se formar por baixo da pele. Dessa forma, ela permite uma drenagem linfática local e a reabsorção do edema.

Existem diferentes modelos de cintas modeladoras que atendem a várias necessidades. Elas podem ser encontradas em lojas especializadas de produtos ortopédicos. O material de confecção facilita sua higienização com tecido de algodão emborrachado e poliéster. O período de uso varia de acordo com o procedimento que foi realizado e pode ser de 1 a 6 meses, conforme sua cicatrização, flacidez da pele e a acomodação da cinta. As pacientes com a pele mais flácida podem prolongar o tempo de uso, pois a cinta modeladora pode ajudar a pele se retrair e se moldar com mais facilidade.

O uso da cinta modeladora requer muito cuidado e deve ser adquirida de acordo com as especificações do médico que auxilia no tratamento. O material compressivo exerce uma pressão continua sobre a pele e os tecidos, por essa razão, ao vesti-la é importante estar atento. A pele não pode ficar dobrada por baixo da cinta e isso não é nada bom. Caso ocorra essa dobra sem que a paciente perceba, a pressão exercida pode gerar isquemias na pele, criando uma marca no local, que dificilmente pode ser removida. A cinta modeladora deve ser vestida de forma adequada, principalmente quando usada em conjunto com a placa de contensão por baixo da cinta. Trata-se de alternativa que só deve ser usada com a prescrição do profissional e usada após verificar as orientações de uso do produto.

O objetivo é apenas conter e não apertar o local e por essa razão, a cinta deve estar sempre confortável, pois se apertarem demais podem causar dor e aumento do edema. Caso não seja feita a compressão adequada, o espaço que fica abaixo da pele pode ser preenchido com líquido gerado pelo edema, dificultando a cicatrização da pele. O que acarreta em uma dificuldade na fixação da pele, podendo causar flacidez da pele e dos tecidos e o que pior: comprometer o resultado cirúrgico, sobretudo no aspecto que a pele flácida tem. Se a compressão oferecida pela cinta modeladora for excessiva é possível que ocorram problemas referentes à falta de circulação sanguínea nos locais que forem comprimidos em excesso. Em alguns casos pode comprometer muito o resultado cirúrgico e gerar sérias consequências, como a necrose da pele.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).
  1. RITA BELINASSI disse:

    POSSO CONTINUAR USANDO DEPOIS ESSA CINTA,NO DIA A DIA.
    BEIJOS OBRIGADA!!!!

    • Luciana Pepino disse:

      Olá Rita, as cintas são ótimas para modelar o corpo e em geral não há nada que impeça de serem usadas no dia a dia. Abraços 🙂