11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira das 8h às 21h
Sábados das 10h às 14h

Os benefícios de uma boa noite de sono

Noites bem dormidas são capazes de operar verdadeiros milagres no organismo. Entenda como o sono da beleza funciona!

Há algum tempo era comum ouvir que as divas do cinema tinham que ter o “sono da beleza”, mas com a correria do dia a dia a boa noite de sono foi ficando cada vez mais espremida entre as tarefas domésticas que sobram depois que se chega do trabalho e a hora de acordar cedo por causa do trânsito. Aquelas oito horas de sono acabam se transformando em seis e até menos se o fim de semana incluir uma balada. Mas a verdade é que uma boa noite de sono traz benefícios profundos ao organismo, que passa a funcionar melhor influenciando, inclusive, na aparência da pele e da fisionomia de uma forma geral. O metabolismo fica mais acelerado, o que ajuda a emagrecer, e até o humor melhora, tornando a expressão mais leve e jovial. Dormir bem é um santo remédio.

Mais concentração e menos ansiedade para quem dorme bem

Para os neurologistas, uma boa noite de sono é essencial para garantir a concentração, deixar o raciocínio mais rápido, melhorar a memória e reduzir a ansiedade. Um estudo produzido pela Universidade de Lubeck, na Alemanha, mostra que quem dorme bem absorve melhor as informações do dia porque a síntese de proteínas responsáveis pelas conexões neurais favorecem também o aprendizado, que acontece durante o sono. É nessa hora que o cérebro analisa as informações acumuladas ao longo do dia, guardando o que considera fundamental e “jogando fora” o que considera supérfluo. Por outro lado, quem dorme pouco ou dorme mal tem mais tendência a problemas de obesidade, por exemplo, já que é durante a noite que acontece a produção do hormônio da saciedade, a leptina.

Noites bem dormidas favorecem o desempenho físico

Dormir bem também ajuda no desempenho físico, principalmente para quem gosta de malhar, correr ou praticar qualquer outro tipo de exercício. Isso porque é durante o sono ininterrupto que o organismo produz o hormônio GH, do crescimento, que ajuda a manter o tônus muscular, combate a osteoporose e evita o acúmulo de gordura. Quem tem o sono picado, no entanto, enfrenta problemas, porque ele só começa a ser produzido após uma hora e meia de sono. Diabéticos que dormem mal também têm 82% a mais de resistência à insulina, dificultando o controle da doença, de acordo com um estudo feito pela Northwesters University (EUA).

Pesquisa relaciona má qualidade do sono a problemas vasculares

Durante 25 anos os pesquisadores da Warwick Medical School (EUA) acompanharam 470 mil pessoas em oito países e relacionaram o sono picado ou privação prolongada de sono a acidentes vasculares cerebrais, doenças cardiovasculares e ataques cardíacos. A quantidade de horas dormidas, no entanto, pode variar de uma pessoa para outra, mas geralmente elas são divididas entre os “curto dormidores”, que precisam de no máximo 6 horas de sono, e “longo dormidores”, que precisam de no mínimo 9 horas de sono. Entre uns e outros, a média da população precisa entre 7 e 8 horas de sono por dia – mas o mais importante, alertam os especialistas, não é apenas a quantidade, mas a qualidade do sono dormido. Por isso, se estiver tendo problemas para ter um sono ininterrupto e tranquilo, procure um especialista. E não abra mão do seu sono da beleza.

 

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).