11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

Evitando pontas duplas

Veja o que fazer para acabar com as pontas duplas e como prevenir que voltem a aparecer

Fragmentação da cutícula do cabelo, você sabe o que é isso? Pois bem, esse nome bonito descreve as famosas pontas duplas, que na verdade podem ser triplas, quádruplas, quíntuplas ou em quantas partes você conseguir contar. Pesadelo de toda mulher, isso acontece quando a cutícula do cabelo, que é parte externa do fio, é estragada, digamos assim, por fatores externos – excesso de sol, chapinha, secador, processos químicos – e internos – pouca água no organismo que propicia a desidratação dos fios. O que acontece é que o fio é composto por três partes: a medula (interna, que distribui nutrientes e minerais), o córtex (no meio, que dá elasticidade e força) e a cutícula (exterior, composta por escamas sobrepostas). No cabelo saudável as três partes ficam seladas pela gordura natural dos fios e também pelas proteínas. Só que o excesso de agressões destrói essa selagem, fazendo com que a estrutura dos fios comece a quebrar no sentido do comprimento, expondo as partes internas.

Os fios também são compostos por uma grande quantidade de água, e daí a importância, mais uma vez, de manter o organismo sempre muito bem hidratado. Para acabar de vez com o problema há uma solução bastante eficiente: cortar o cabelo. Para quem não quer saber de tesoura, outras soluções podem ser encontradas, que mais disfarçam do que consertam os cabelos e outras que ajudam a prevenir quem ainda não tem pontas duplas. A hidratação caseira é uma delas, já que quanto mais ressecados maior o efeito de pontas espigadas. Além de prevenir, ela disfarça a fragmentação do fio até que ele consiga se recompor e voltar a ficar selado. Quem usa química nos cabelos deve primeiro fazer uma cauterização no salão, que reconstruirá a selagem, e manter com a hidratação caseira, com cremes e hidratantes capilares próprios, cada 15 ou 30 dias, dependendo do estado.

Você também pode fazer uma selagem temporária com alguns produtos do mercado à base de polímeros e gel com partículas positivas e negativas, que se unem formando uma contração no fio enquanto o cabelo seca. O efeito, no entanto, não é definitivo e o produto vai saindo conforme os cabelos são lavados. O efeito é melhor do que o do silicone, que tem ação imediata unindo as camadas da cutícula como se fosse uma cola. Ele ainda cria uma barreira protetora e controla o frizz, dando bastante brilho ao cabelo. Mas atenção, porque ele não é um hidratante e deve ser usado na quantidade certa para não deixar um aspecto de goma. E lembre-se: só o use depois da chapinha, antes ele vai fritar seu cabelo.

O verão já está no fim, mas como o calor continua nada como algumas dicas para aquela praia básica do final de semana. Sempre que tiver uma exposição mais demorada ao sol proteja seus cabelos com um boné ou chapéu, além de protetor solar capilar. Como o sol agride especificamente as ceramidas presentes nos fios, as camadas se soltarão, deixando-o com aparência de ressecado, sem brilho em com pontas múltiplas. Como sempre, é melhor prevenir do que tentar consertar a saúde dos cabelos, porque mesmo que ele pareça bonito, a maioria dos tratamentos apenas promove uma melhora a curto prazo. Se os fios estiverem muito estragados a melhor forma de resolver o problema é mesmo cortar as pontas e prevenir para que não pareça novamente.

 

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).