Seios Flácidos Após A Gestação: Qual Cirurgia Plástica É Indicada?

A maternidade é um dos momentos mais delicados na vida de uma mulher: além de ser o ápice da feminilidade, mudanças físicas, psicológicas e emocionais ocorrem no corpo da gestante

A mama, por ser responsável pela produção de leite, sofre um aumento expressivo. Após o período de amamentação, ocorre uma regressão da estrutura glandular, podendo causar alterações que, em alguns casos, ocasionam desconforto para muitas mulheres, como flacidez, diminuição grande do volume das mamas, queda dos seios, entre outros.

Nestes casos, entra o papel da cirurgia plástica, com diversas técnicas que podem ser utilizadas para que a paciente se sinta bem com ela mesma. Confira quais são as principais dúvidas das mulheres que procuram uma cirurgia plástica pós-gestação:

Qual cirurgia é mais indicada para a correção dos seios flácidos?

Nos últimos anos, de acordo com o Censo de 2016 da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), a cirurgia de elevação das mamas (mastopexia) ainda é um dos procedimentos mais realizados no país.

Entre as mais realizadas nos casos de pós gestação, a mastopexia é conhecida como cirurgia de lifting da mama e tem como objetivo reverter o caimento natural dos seios (ptose mamária), reposicionar a aréola, o tecido mamário e remover o excesso de pele.

A técnica utilizada vai depender do grau do grau de ptose. A cirurgia só poderá ser realizada após 6 meses de interrupção da amamentação e é valido lembrar que o procedimento não preenche o colo e nem altera o tamanho dos seios, caso a paciente queira mamas mais volumosas por exemplo, deverá considerar também o uso de próteses de mama.

A perda da sensibilidade das aréolas pode existir, mas na grande maioria dos casos é parcial e progressivamente volta com o tempo.

Como é a recuperação pós-operatória e quando é possível ver os resultados?

Após a cirurgia plástica a paciente retornará pra casa com curativos sobre as incisões e será necessário utilizar uma bandagem ou sutiã especial para que minimize o inchaço e sustente as mamas. Pode ser que seja colocado um dreno para drenar qualquer excesso de sangue.

A paciente não poderá carregar peso por 30 dias e isso inclui não segurar o bebê no colo, então é aconselhável que ela tenha alguém que auxilie durante o período de recuperação. Evitar esforços gerais nos primeiros 15 dias, exposição ao sol e atividades físicas até que o cirurgião libere, também são recomendações que devem ser seguidas à risca.

Os resultados aparecem no decorrer dos meses,  e a forma e posição das mamas ficam mais agradáveis nos primeiros 3-6 meses. As cicatrizes são permanentes, mas tornam-se mais claras e melhoram significativamente com o passar dos anos, atingindo o seu aspecto definitivo. Leia mais sobre o assunto nessa lista de mitos e verdades da mastopexia após a gravidez.

A paciente só pode realizar a mastopexia caso não queira mais ter filhos?

Não, porém é de extrema importância estar ciente de que os resultados da cirurgia podem ser alterados ou perdidos com uma nova gestação.

Somente o cirurgião plástico poderá dizer, mesmo que na maioria dos casos seja aconselhado realizar a cirurgia plástica quando a mulher não pretende ter mais filhos, existem situações em que o grau de flacidez a ser corrigido pode não sofrer mudança alguma em uma futura amamentação.

Casos em que a paciente esteja insatisfeita com o corpo e incomodada com a baixa autoestima, a plástica pode ser feita sem problemas, desde que tenha uma conversa franca com o cirurgião.

A paciente que se submete a uma cirurgia plástica de correção de mamas apresenta uma melhora na autoestima, pois, além de favorecer a aparência da mulher, aumenta a autoconfiança, bem como os sentimentos positivos sobre a própria sexualidade. Entenda melhor quais são os impactos da cirurgia plástica na sua autoestima.

Quer saber mais sobre a mastopexia? Baixe agora nosso e-book sobre o assunto!