(11) 3285-6412Segunda a Sexta-Feira das 10h às 19h
Clínica Especializada em Cirurgias Plásticas
  • A Clínica
  • Cirurgias
  • Procedimentos
  • Informações
  • Dicas
  • Contato
  • Blog
Agendar Consulta
retornar

Como resolver problemas com mamas assimétricas?

Entenda quais são as possíveis causas da assimetria mamária e quais os procedimentos mais indicados

Você provavelmente já deve ter reparado que praticamente todas as mulheres sofrem de um problema muito comum: a assimetria mamária. Trata-se de uma condição natural, afinal, nenhum lado do corpo é igual ao outro. 

Embora essa assimetria possa ser observada com características distintas entre as mulheres, como por exemplo o tamanho, peso ou formato das mamas, elas podem sim, ser corrigidas e melhorar a autoestima das mulheres que se incomodam com a condição. 

Contudo, é importante entender um pouco mais sobre a anatomia dos seios, quais são as principais causas para a assimetria e qual o procedimento mais indicado para corrigi-las. 

O que significa assimetria mamária? 

Assim como falamos anteriormente, nenhuma parte do corpo é exatamente igual a outra e o mesmo acontece com as mamas. 

A essa condição, atribui-se o nome de assimetria, que é justamente a definição de falta de igualdade. 

Em muitas mulheres, ela é quase imperceptível. Já em outras o problema pode se apresentar mais evidente, podendo causar constrangimento e desconforto nas pacientes. 

É importante ressaltar que essa assimetria não está somente relacionada ao tamanho das mamas: os formatos também podem ser diferentes, com pesos diferentes e até a posição da aréola pode não ser a mesma. 

Quais são as principais causas da condição? 

Embora seja uma condição normal de todos os seres humanos, existem algumas razões que podem fazer com que a assimetria mamária seja agravada. Confira abaixo: 

Variações da anatomia natural

Como mencionamos, nosso corpo pode ser naturalmente assimétrico e isso não deve significar uma preocupação. Na verdade, é bem comum que outras partes também sofram pequenas alterações, como sobrancelhas, nádegas e até as pernas não estão livres dessa.

Alterações hormonais

As alterações hormonais que acontecem durante a adolescência também podem influenciar no crescimento e assimetria das mamas, fazendo com que uma se desenvolva primeiro do que a outra. 

Essa condição pode se normalizar com o tempo ou se manter durante a vida adulta. 

Entenda mais sobre mamas assimétricas

Presença de nódulos mamários

Trata-se de um ou mais ‘caroços’ que podem surgir ocasionalmente em algumas situações, como por exemplo, em decorrência de uma pancada no seio. 

Em sua maioria, surgem ainda durante a adolescência e não necessitam ser retirados através de cirurgias, a menos que incomodem ou causem dores na paciente. 

Algumas doenças como a displasia mamária também podem ocasionar pequenos nódulos nos seios, deixando-os com aparência menos simétrica. 

Quais os procedimentos para corrigi-las?

As possibilidades de tratamento podem variar de acordo com o nível de incômodo, tipo e grau de assimetria na paciente. 

Em geral, caso queira corrigir a assimetria das mamas, a mulher deverá se submeter a uma cirurgia plástica, sendo necessário estar com a saúde em dia para que isso aconteça. 

É importante lembrar que cada caso exigirá um tipo de procedimento específico e, portanto, deverá ser avaliado por um cirurgião plástico de confiança. 

Também é essencial ressaltar que independente de ser uma mamoplastia de aumento, mastopexia ou qualquer outra técnica, possivelmente as mamas nunca ficarão perfeitamente iguais.

Os resultados vão depender muito dos cuidados e cicatrização de cada paciente, além da habilidade e comprometimento do profissional escolhido.

Saiba que todo procedimento envolve riscos. Consulte sempre um médico.


Dra. Luciana L. Pepino.

Diretora Técnica Médica

CRM-SP: 106.491

RQE: 25827

Membro da ISAPS – International Society of Aesthetics Plastic Surgery

Membro da ASPS – American Society of Plastic Surgeon

Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica SBCP

Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte – MG

Residência Médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte – MG

Formada em Medicina pela faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte – MG

Dra. Luciana L. Pepino.

Diretora Técnica Médica

CRM-SP: 106.491

RQE: 25827

Membro da ISAPS – International Society of Aesthetics Plastic Surgery

Membro da ASPS – American Society of Plastic Surgeon

Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica SBCP

Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte – MG

Residência Médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte – MG

Formada em Medicina pela faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte – MG

Agende sua consulta

Deixe o seu comentário


    Leia Também

    Carregando...

    Assine nossa newsletter

    Assine e receba dicas, novidades, materiais e muito mais.

    whatsapp

    Cirurgias

    Procedimentos

    Links Úteis

    Telefones de Contato

    Políticas de Privacidade

    Dra. Luciana L. Pepino. Diretora Técnica Médica

    CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

    logo

    2022. Dra. Luciana Pepino

    Todos os direitos reservados.