Drenagem linfática emagrece? Veja os mitos e verdades sobre o tema!

A drenagem linfática oferece diversos benefícios para a saúde e a beleza, mas é preciso diferenciar o que é mito e o que é verdade para saber o que esperar dos resultados

Não é raro encontrar pessoas e sites dizendo que drenagem linfática emagrece, combate a celulite, elimina a retenção de líquidos e melhora a circulação sanguínea, mas será que todos esses benefícios realmente acontecem?

A drenagem é uma técnica de massagem que oferece muitas vantagens, mas é preciso saber quais são seus verdadeiros efeitos e indicações para aproveitá-la ao máximo. Por isso, elaboramos esta lista de mitos e verdade para você ficar por dentro. Confira:

  1. A drenagem linfática combate a retenção de líquidos

Verdade. Essa técnica consiste em massagear o corpo de forma a conduzir a linfa – o líquido que se acumula entre as células – até os gânglios linfáticos, para que o excesso seja eliminado posteriormente pelos rins.

Dessa forma, a drenagem linfática ajuda muito a combater a retenção hídrica, especialmente nas pernas e nos pés, diminuindo também o inchaço no corpo todo.

  1. Toda sessão de drenagem linfática dá vontade de fazer xixi

Mito. Algumas pessoas realmente sentem mais vontade de urinar depois de fazer uma sessão, enquanto outras não vão experimentar esse efeito com tanta intensidade. Isso acontece em função do grau de retenção de líquidos de cada paciente.

  1. A drenagem linfática emagrece

Mito. Embora muita gente diga que a drenagem linfática emagrece e que já viu a diferença na balança, na verdade esse efeito se trata de uma perda de peso indireta.

drenagem linfática

Como esse procedimento promove a eliminação dos líquidos em excesso, é possível reduzir alguns quilos. Porém, a diferença na balança aparece devido ao combate à retenção hídrica, e não à eliminação da gordura (que corresponderia a um emagrecimento real).

  1. A drenagem contribui para a redução das medidas

Verdade. Como a retenção de líquidos leva ao inchaço em regiões como panturrilha, coxas, quadril e abdômen, a drenagem pode sim ajudar a reduzir alguns centímetros nessa região.

Esse é um dos motivos pelos quais muitas pessoas acreditam que a drenagem linfática emagrece, mas a perda de medidas acontece devido à eliminação do excesso de líquidos, não à queima de gordura.

Veja mais – Drenagem linfática x Massagem modeladora: é a mesma coisa?

  1. É possível eliminar a celulite com drenagem linfática

Verdade, mas apenas quando esse problema está em fase inicial. Uma das causas da celulite é a retenção de líquidos e toxinas, que favorecem a formação dos nódulos de gordura na pele. Assim, com a drenagem, é possível combater a celulite no momento de sua formação.

Quando o grau da celulite é mais alto, a drenagem também ajuda a deixar a pele mais uniforme, pois a massagem melhora a circulação e aumenta o aporte de oxigênio e nutrientes para o tecido.

Contudo, os efeitos serão muito mais visíveis ao associar tratamentos como carboxiterapia, Manthus e Ultra Accent, que atuam mais diretamente nas células de gordura.

  1. É normal ficar com o corpo dolorido e com algumas manchas depois da sessão

Mito. A drenagem linfática é uma técnica de massagem com movimentos suaves, de forma que ela não deve causar dores nem hematomas. Se isso acontecer, a técnica pode não estar sendo realizada corretamente.

Não é necessário aplicar muita pressão nos movimentos da drenagem porque a linfa se desloca lentamente. Assim, essa é uma massagem mais delicada, que inclusive favorece o relaxamento.

  1. É recomendado fazer drenagem linfática depois de uma cirurgia plástica

Verdade. Tudo depende da orientação do médico, mas, em geral, a drenagem é uma excelente forma de acelerar a recuperação de uma cirurgia plástica. Isso acontece porque a técnica estimula a oxigenação dos tecidos e a produção de colágeno, favorecendo a cicatrização.

Além disso, a drenagem combate o inchaço causado pelo acúmulo de líquidos na região da cirurgia, o que alivia o desconforto, favorece a reabsorção dos hematomas e evita a formação do seroma. Assim, a drenagem é essencial depois de cirurgias como a lipoaspiração.

  1. Por ser uma massagem leve, qualquer pessoa pode oferecer sessões de drenagem

Mito. A drenagem linfática é sim uma massagem leve, mas isso não quer dizer que ela não ofereça riscos se for executada de forma incorreta. Movimentos muito fortes, por exemplo, podem prejudicar a circulação linfática e até mesmo inflamar os gânglios.

Além disso, em pessoas em recuperação pós-cirúrgica, os movimentos precisam ser ainda mais cuidados, pois a pele estará sensibilizada pelo procedimento.

Dessa forma, é sempre recomendável fazer a drenagem em uma clínica de confiança, com supervisão médica e com fisioterapeutas e esteticistas que tenham curso técnico nessa área.

  1. A drenagem é indicada para mulheres grávidas

Verdade. Durante a gestação, o volume sanguíneo aumenta e os vasos capilares transbordam, causando muito inchaço. Assim, desde que haja autorização médica, as gestantes podem se beneficiar da drenagem linfática especialmente para combater a retenção nas pernas e pés.

drenagem linfática emagrece

 

Entretanto, existem alguns cuidados a serem observados, como posicionar a gestante sempre de barriga para cima e não aplicar a massagem nessa região.

  1. A drenagem linfática com aparelhos é mais potente que a manual

Mito. As duas formas conseguem melhorar a circulação sanguínea e o aporte de oxigênio para os tecidos, mas a drenagem manual oferece uma sensibilidade maior por permitir que o profissional avalie as condições e necessidades de cada região do corpo.

A clínica da Dra. Luciana Pepino realiza a drenagem linfática com toda a segurança. Se você ficou interessada nos benefícios desse procedimento, agende sua avaliação presencial e aproveite para conhecer todos os tratamentos e cirurgias plásticas oferecidos pela clínica.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).