Menu

Você sabe todos os mitos e verdades sobre o anticoncepcional comprimido?

Afinal, engorda ou não engorda? É verdade que a pílula dá celulite? A libido cai mesmo? Esclareça essas e outras dúvidas sobre o uso dos anticoncepcionais.

Os métodos contraceptivos hormonais existem desde a década de 1960, mas seu uso ainda está cercado por dúvidas. Seja o anticoncepcional comprimido, o adesivo ou a injeção, a informação também faz parte do pacote para que a proteção realmente aconteça.

Embora a pílula seja o método hormonal mais conhecido e utilizado, ela também pode provocar prejuízos à beleza e à saúde da mulher. Por isso, o uso do anticoncepcional sempre deve ser acompanhado pelo médico ginecologista.

Confira as informações que nós selecionamos e esclarece estes mitos e verdades sobre os anticoncepcionais:

  1. Pílula anticoncepcional engorda

Depende. A pílula em si não faz engordar diretamente, mas seu uso pode resultar no aumento do peso indiretamente. Isso acontece porque é comum que o anticoncepcional comprimido aumente a retenção de líquidos, deixando a mulher mais inchada.

Em consequência, ela pode observar um aumento no valor registrado pela balança, principalmente nos três primeiros meses, mas isso não significa necessariamente um aumento no acúmulo de gordura.

Além disso, os anticoncepcionais hormonais impedem que a mulher tenha o pico de testosterona natural logo após a ovulação, o que deixa a mulher mais indisposta, com mais tendência a acumular gordura e com dificuldade para ganhar massa magra.

  1. O anticoncepcional oral aumenta a celulite

Verdade, mas isso depende de alguns fatores. A pílula pode aumentar ou causar celulite em mulheres que tenham propensão genética, sejam sedentárias ou tenham uma alimentação de má qualidade.

Isso acontece em consequência à maior tendência ao inchaço, pelo aumento da retenção de líquidos provocada pelos anticoncepcionais à base de hormônios. 

anticoncepcional comprimido

Veja mais – Estria e celulite: entenda esses males e saiba como se livrar deles!

  1. Os anticoncepcionais podem diminuir a libido

Verdade. Esse efeito também acontece devido à ausência do pico de testosterona. Conhecida como hormônio masculino, essa substância também existe em pequenas quantidades no organismo da mulher – aumentando logo após a ovulação.

O motivo desse aumento é fazer com que a mulher sinta mais desejo, ampliando as chances de que ela tenha uma relação sexual e o óvulo seja fecundado. Contudo, como os anticoncepcionais hormonais bloqueiam a ovulação, o pico de testosterona não acontece.

Assim, as mulheres que usam anticoncepcionais hormonais podem sentir uma diminuição na libido – embora a qualidade e a frequência dos orgasmos não sejam afetadas.

  1. A pílula ajuda a combater as espinhas

Em geral, verdade – e essa é uma das vantagens da diminuição da quantidade de testosterona circulando pelo corpo. Como esse hormônio está relacionado à maior produção de oleosidade, acne e seborreia, a pílula também ajuda a melhorar as condições da pele.

Inclusive, o uso do anticoncepcional também pode reduzir a quantidade de pelos em regiões como face e abdômen por esse mesmo motivo. Mas atenção: não são todas as pílulas que têm esse efeito, então é importante conversar com o ginecologista sobre a melhor opção para você.

Confira mais detalhes – Tratamento Para Espinhas – Tire Suas Dúvidas!

  1. Antibióticos cortam o efeito do anticoncepcional comprimido

Verdade, mas para alguns casos específicos. Alguns antibióticos e antifúngicos realmente são capazes de diminuir a eficácia do anticoncepcional oral porque eles alteram a permeabilidade das paredes do intestino, fazendo com que os hormônios da pílula sejam menos absorvidos.

Isso acontece mesmo nos casos em que não há alterações gastrointestinais, como diarreia ou vômito. Assim, o “campeão” em cortar o efeito do anticoncepcional comprimido é a rifampicina, utilizada em casos de tuberculose, hanseníase e meningite.

Porém, existem outros antibióticos e antifúngicos que também fazem isso, como ampicilina, amoxicilina, cefalexina, clindamicina, dapsona, eritromicina, fenoximetilpenicilina, griseofulvina, isoniazida, metronidazol e tetraciclina.

Nesse caso, é aconselhável utilizar outro método contraceptivo, como a camisinha, enquanto durar o tratamento, pois a proteção oferecida pela pílula estará diminuída nesse período.

  1. Tomar anticoncepcional por muito tempo pode causar infertilidade ou câncer

Mito. O uso da pílula anticoncepcional inclusive é um fator de proteção da fertilidade, pois a mulher tem menos risco de sofrer com cistos no ovário, miomas e pólipos uterinos e endometriose – condições que podem impedir uma gestação.

Em relação ao câncer, saiba que não existem estudos mostrando qualquer associação entre o anticoncepcional e o aumento do risco das neoplasias. Aliás, as pesquisas mostram justamente o contrário, pois há indícios de que a pílula protege contra câncer de ovário e endométrio.

  1. A pílula deve ser tomada sempre no mesmo horário

Verdade. Tomar o anticoncepcional todos os dias no mesmo horário é uma das condições para que ele consiga manter seu efeito. Como a quantidade de hormônio das pílulas modernas é muito baixa, é preciso manter a regularidade da ingestão.

Ao tomar a pílula em horários diferentes, o nível dos hormônios vai flutuar muito, o que pode prometer sua eficácia. Além disso, não ter um horário certo para isso é uma prática que favorece o esquecimento – a maior causa de falha do anticoncepcional comprimido.

anticoncepcional comprimido
  1. É necessário parar de tomar o anticoncepcional antes de uma cirurgia plástica

Depende. Os hormônios do anticoncepcional comprimido, adesivo e injeção podem aumentar o risco de trombose por favorecer a formação de coágulos sanguíneos e o bloqueio dos vasos. Confira algumas dicas de como evitar a trombose.

Como cirurgias plásticas que utilizam anestesia geral, peridural e ráqui também aumentam o risco de coagulação, pode ser necessário suspender o uso desses anticoncepcionais antes do procedimento.

Além disso, um pós-operatório que exija um repouso de muitas horas com o paciente deitado também pode aumentar as chances de uma trombose. Isso, porém, não é uma regra, pois as orientações variam de pessoa para pessoa.

Dessa forma, caso a pessoa tenha outros fatores de risco para a formação de coágulos, como histórico familiar, obesidade e tabagismo, o médico poderá solicitar que ela deixe de utilizar anticoncepcionais hormonais por 30 dias antes da cirurgia.

Você já conhecia todos esses mitos e verdades sobre os anticoncepcionais? Descobriu alguma novidade? Compartilhe com a gente nos comentários!

  • 10
    Shares

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).