É possível ter a barba dos sonhos! Saiba como

Homem com a barba preenchida

Transplante de barba torna-se mais popular e resultados naturais animam adeptos

Se antes a barba por fazer ou comprida era interpretada como desleixo ou falta de higiene, agora ela é considerada estilosa e demanda muitos cuidados específicos dos barbudos.

Para atender à esse público, homens com pelos faciais escassos podem optar pelo transplante de barba que, de acordo com o jornal britânico Daily Mail, teve um crescimento de 600% nos últimos cinco anos em todo o mundo.

Saiba mais sobre como é realizada a técnica e as indicações do procedimento.

Como é realizado o transplante de barba?

O transplante de barba é semelhante ao transplante capilar. Os folículos pilosos são removidos de uma área do corpo, como abaixo do queixo ou da nuca, e transplantados à região da barba.

Para verificar a possibilidade e indicação do procedimento o cirurgião plástico fará uma avaliação das condições de saúde do paciente, se há uma patologia específica causadora da redução dos fios e se o paciente tem calvície.

A região doadora também é avaliada, considerando tanto a cicatrização como se os fios têm as mesmas características, como textura, espessura e cor da região que receberá o transplante.

Após todas essas avaliações, o especialista pode recomendar diferentes técnicas de transplante de barba considerando o volume de pelos transplantados e as expectativas do paciente. Conheça as três principais técnicas a seguir!

FUT – Follicular Unit Transplant

Técnica que consiste em remover uma faixa de 25 cm de comprimento e 1 cm de largura do couro cabeludo.

Opta-se pela região doadora ser na lateral ou parte de trás da nuca, tornando a cicatriz mais discreta.

A faixa contendo os folículos é transplantada para a região da barba, sendo que o procedimento tem uma duração de, aproximadamente seis horas. Ele é indicado para pacientes que precisam de mais volume de fios.

FUE – Follicular Unit Extraction

Essa técnica é mais delicada e envolve a remoção unitária de cada folículo piloso do couro cabeludo ou da região do queixo.

Como benefício essa técnica resulta em cicatrizes mais discretas na área doadora, que pode ser mais espaçada, aparentando menos a perda capilar.

Por ser mais detalhado, o procedimento é mais demorado, cerca de 8 horas, e pode ser mais caro também. Ele é indicado para quem tem uma barba falhada, precisando apenas cobrir regiões com menos pelos.

Robotic FUE

Uma técnica mais moderna e que está sendo iniciada no Brasil. Nesse procedimento um robô escaneia o couro cabeludo para identificar os folículos com mais potencial.

Dessa forma, há uma pré-seleção dos fios coletados e transplantados, aumentando as chances de sucesso do procedimento.

O tempo de cada cirurgia depende do número de fios necessários e da técnica utilizada.

Imagem focada no rosto de homem com barba

Como é a recuperação da técnica?

Apesar de não ser uma operação invasiva, o paciente deve tomar alguns cuidados no pós-operatório, pois a região doadora pode ficar inchada e dolorida na primeira semana, formando casquinhas devido à cicatrização.

Nos primeiros 15 dias após a técnica o paciente deve evitar a exposição solar, para evitar manchar a pele, tomar banhos de mar e piscina que podem causar infecções ou realizar exercícios físicos pesados, além dos cuidados com a barba recomendados pelo médico responsável.

Na técnica FUE a cicatriz resultante é mais evidente na região doadora, no entanto, normalmente escolhe-se a nuca ou abaixo do queixo para que seja mais discreta.

Quando poderei ver os resultados?

Apesar da ansiedade do paciente, o resultado final pode demorar um pouco para aparecer. O pelo deverá crescer nos primeiros 10 dias, mas a haste capilar vai cair após esse período.

Posteriormente, o folículo vai produzir uma nova haste que vai começar a crescer e será permanente. Devido esse processo, o resultado esperado pode demorar entre três e seis meses para aparecer.

Existem contraindicações ao transplante de barba?

Uma das contraindicações à técnica é o fato de o paciente não ter muitos fios que possam ser usadas para transplantar. Nesse caso, não haverá uma área doadora apta a passar pelo procedimento.

A técnica também pode ser contraindicada em pacientes com doenças autoimunes, pois elas aumentam as chances de rejeição do organismo. Doenças de pele ativas na região doadora ou na face exigem tratamento específico antes do transplante.

Portanto, o transplante de barba é uma técnica segura e que apresenta os resultados almejados, mas exige uma avaliação específica do cirurgião plástico, além de experiência na realização do procedimento.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).
  1. SILVANA CABECA disse:

    Acho essa médica um arrazo!!Parabénssssssss!!Um dia quero poder fazer algum procedimento com vc!!

WhatsApp Clique aqui e fale conosco via WhatsApp