11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

Problemas causados por hábitos não saudáveis no pós-operatório

Recomendações de pós-operatório de cirurgia plástica

Boa recuperação pós-cirúrgica depende de bons hábitos de alimentação, repouso e outros

O pós-operatório da cirurgia plástica exige uma série de cuidados para uma recuperação adequada que afetam a saúde da paciente e também a estética posterior do local operado.

Devido à importância de um bom pós-operatório, maus hábitos e erros na recuperação mantidos nesse período podem comprometer os resultados, causar complicações e afetar a qualidade de vida da paciente.

Pensando nisso, destacamos a seguir alguns hábitos prejudiciais no pós cirurgia plástica e quais as consequências de mantê-los nesse período.

6 hábitos prejudiciais no pós-operatório da cirurgia plástica

Os hábitos ruins podem ser heranças desde antes da cirurgia plástica, mas comprometem igualmente a recuperação e a obtenção de melhores resultados estéticos. Saiba mais a seguir!

1. Sedentarismo

O sedentarismo é caracterizado pela ausência de atividades físicas regulares. Elas contribuem para manutenção do peso e também para o bom funcionamento cardiovascular e respiratório.

A paciente que se submete a uma cirurgia plástica não pode retomar a prática de exercícios durante o repouso, mas quando as atividades não são realizadas previamente é mais fácil ganhar peso durante a recuperação.

Dessa forma, o sedentarismo afeta o pós-operatório dos procedimentos e, posteriormente, pode prejudicar a manutenção dos resultados alcançados, principalmente no caso de uma lipoaspiração.

2. Tabagismo

O tabaco é uma das substâncias mais prejudiciais durante a recuperação da cirurgia plástica, tanto que a recomendação é que o uso seja interrompido meses antes do procedimento.

Se a paciente conseguir, a indicação é sempre parar de fumar definitivamente, mas caso ela tenha dificuldades, esse hábito pode ser retomado entre dois e três meses depois da cirurgia.

O problema se deve a algumas substâncias presentes no cigarro que prejudicam a microcirculação do sangue na pele, comprometendo a qualidade da cicatrização.

O tabaco afeta também o sistema respiratório e pode acarretar em tromboses, complicações graves no pós-operatório da cirurgia.

3. Consumo de bebidas alcoólicas

Durante o período posterior a cirurgia a paciente deve evitar o consumo de bebidas alcoólicas por, pelo menos, 30 dias, especialmente durante o uso dos medicamentos.

Existem diversas consequências negativas do consumo de bebidas alcoólicas após uma cirurgia, como:

  • interferir no efeito das medicações;
  • debilitar e desidratar o corpo;
  • reduzir a imunidade, deixando a paciente mais vulnerável a infecções;
  • causar irritações na mucosa da boca e no sistema digestivo;
  • aumentar o inchaço devido à dilatação dos vasos sanguíneos;
  • aumentar o risco de sangramentos.

O período de abstinência alcoólica depende do tipo de cirurgia plástica. Na cirurgia bariátrica, por exemplo, deve ser respeitado um intervalo de 6 meses.

Dicas de hábitos no pós-operatório

4. Má alimentação

Uma boa alimentação beneficia a recuperação pós-operatória tornando a cicatrização mais rápida e adequada, além de poder evitar complicações como infecções e trombose se o paciente estiver no peso ideal.

Os cuidados com a alimentação devem ser iniciados meses antes da cirurgia plástica, priorizando a ingestão de alimentos naturais, como frutas, verduras e legumes, carnes magras, oleaginosas, peixe, alimentos integrais e outros.

Existem diferentes formas pelas quais a alimentação pode influenciar o pós-operatório da cirurgia plástica.

Por exemplo, após uma rinoplastia ou mentoplastia, a ingestão de alimentos duros pode causar dor, prejudicar a cicatrização e desencadear sangramentos.

Já a ingestão de alimentos integrais, com aveia, é importante para evitar constipação que pode resultar em inchaço e dores abdominais no pós-cirúrgico.

Alimentos ricos em sódio, açúcar, carboidratos e gorduras (frituras principalmente) podem prejudicar a cicatrização.

5. Falta de hidratação da pele

A hidratação da pele no pós-operatório da cirurgia plástica é essencial para obter os resultados desejados com o procedimento estético. Existem diversos problemas que podem surgir pela falta de hidratação cutânea, como:

  • sensibilidade;
  • ressecamento e rachaduras;
  • feridas;
  • repuxamento da pele;
  • descamação;
  • dermatite atópica;
  • psoríase.

Para prevenir esses problemas e, inclusive, uma má cicatrização, é indicado que o pós-operatório inclua o uso abundante de hidratantes com substâncias como vitaminas E e B5, ceramidas, ureia, karité, ácido hialurônico e outras.

Principalmente no caso de cirurgias plásticas faciais, como rinoplastia e lifting facial, a indicação é somar o uso do hidratante com a proteção solar para evitar manchas permanentes,

6. Falta de repouso

Toda cirurgia plástica causa um trauma físico, o que demanda a realização de um repouso adequado para uma boa recuperação.

A falta de repouso pode comprometer a estética da cicatriz, além de favorecer complicações como edemas e inflamações.

As recomendações de repouso variam de acordo com a técnica. Por exemplo, na abdominoplastia a indicação é que a paciente faça leves caminhadas, por 10 minutos, para auxiliar na circulação sanguínea dos membros inferiores, prevenindo a trombose.

Portanto, a revisão dos hábitos no pós-operatório da cirurgia plástica é fundamental para minimizar as chances de complicações e obter melhores resultados estéticos.

Cada tipo de cirurgia plástica pode ter uma recomendação pós-operatória específica, sendo importante conversar com a equipe médica e cirurgião plástico para conhecer todos os pormenores desse período.

 

Agende agora a sua consulta!

 

Saiba que todo procedimento envolve riscos. Consulte sempre um médico.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).