Menu

Microagulhamento: tratamento para cicatrizes, estrias, rugas e manchas na pele

Conheça a técnica que aumenta a produção de colágeno e não provoca uma descamação intensa da sua pele

Se você sofre com imperfeições na pele que prejudicam sua aparência, fazem com que você pareça ter mais idade do que realmente tem e abalam sua autoconfiança, saiba que você tem mais um aliado: o microagulhamento para estrias, rugas, cicatrizes e manchas.

Por meio dessa técnica, a pele ganha um novo impulso para aumentar a produção de colágeno, ficando muito mais uniforme, firme e saudável.

O que é o microagulhamento e como ele funciona

Também chamado de indução percutânea de colágeno (IPCA), o microagulhamento para estrias e outras imperfeições é um procedimento estético que consiste em promover microperfurações na pele para melhorar sua aparência.

Essas microperfurações são feitas com cerca de 200 agulhas metálicas muito finas geralmente acopladas a uma espécie de rolo, embora também possam ser utilizados carimbos e canetas elétricas.

O efeito das agulhas na pele induz a uma leve inflamação no local, ativando o processo de cicatrização. Com isso, ocorre um estímulo para aumentar a produção de colágeno, elastina e fatores de crescimento na região.

Além disso, as microperfurações estimulam a angiogênese (surgimento de novos vasos sanguíneos) e favorecem a vasodilatação, o que resulta em um aumento no aporte de oxigênio e nutrientes para o local tratado.

Assim, a IPCA causa um efeito de regeneração da pele, mas sem provocar o efeito ablativo (lesão da epiderme) como acontece no peeling e laser, evitando a descamação intensa. Os resultados aparecem em cerca de 3 meses, com o amadurecimento do colágeno.

Quais são as indicações do microagulhamento?

O microagulhamento é indicado para homens e mulheres que apresentem imperfeições na pele e desejam obter uma melhora na aparência sem necessariamente recorrer a uma cirurgia.

Devido ao seu efeito de regeneração do tecido cutâneo, com aumento da produção de colágeno e outras fibras, esse procedimento é indicado para tratar estrias, rugas, manchas na pele, cicatrizes (de acne e em geral), poros abertos e calvície.

Além disso, os microfuros funcionam como passagens, permitindo que ingredientes ativos atinjam camadas mais internas da pele e seu efeito seja potencializado – o chamado microagulhamento com drug delivery.

O microagulhamento para estrias, em especial, oferece bons resultados para tanto marcas avermelhadas quanto esbranquiçadas, sendo assim um procedimento indicado para estrias novas e antigas.

Conhecendo melhor as agulhas da IPCA

As agulhas costumam ser feitas de aço cirúrgico ou titânio e apresentam comprimento de 0,25 a 3 mm, com diâmetro de até 0,8 mm.

Agulhas menores que 0,5 mm não promovem a inflamação que leva ao aumento da produção de colágeno, sendo recomendadas somente para melhorar o viço da pele e a absorção de produtos tópicos. Essas agulhas podem ser utilizadas por esteticistas.

Para que realmente haja a neocolagênese, desejada no microagulhamento para estrias, rugas e cicatrizes de acne, por exemplo, são utilizadas agulhas maiores. Nesse caso, o tratamento deve ser feito por dermatologistas, cirurgiões plásticos ou fisioterapeutas dermatofuncionais.

Confira mais aqui: Tipos de rugas e tratamentos estéticos!

Como é feito o microagulhamento para estrias e outras imperfeições

Para que a técnica seja mais bem aproveitada, o microagulhamento começa com uma preparação de 15 a 21 dias antes da sessão com o uso de cremes específicos recomendados pelo médico.

No dia, é feita a higienização da pele e, no caso das agulhas menores, aplica-se uma pomada anestésica para aliviar o desconforto. É preciso aguardar uma hora para que a pomada faça efeito.

Para agulhas maiores, como as que são utilizadas no microagulhamento para estrias, rugas e cicatrizes de acne, por exemplo, pode ser indicado fazer uma anestesia local injetável e bloqueios anestésicos.

Em seguida, o rolo com as agulhas é passado na região a ser tratada em várias direções, promovendo as microperfurações. Durante a sessão, é possível observar um leve sangramento, mas esse é um efeito esperado do tratamento.

Dependendo dos objetivos, podem ser aplicados diferentes tipos de produtos tópicos neste momento, pois o microagulhamento terá aberto canais que permitem uma melhor penetração dos ingredientes ativos.

Esses produtos são determinados pelo médico dermatologista ou cirurgião plástico responsável pelo tratamento. No caso do microagulhamento para estrias, por exemplo, podem ser usados ácido retinoico, vitamina C e ácido ferúlico, entre outros.

As sessões duram em média 30 minutos (além do tempo para que a anestesia faça efeito). O tratamento costuma ter quatro sessões com intervalos de 30 dias. Com agulhas maiores, duas sessões podem ser suficientes dependendo dos objetivos.

Aparência da pele e cuidados após o procedimento

No dia seguinte, é normal observar inchaço e vermelhidão moderados da pele, que costumam regredir em 2 a 3 dias. A pele não deve apresentar sangramento depois que a sessão termina, pois os microfuros se fecham imediatamente.

Diferente do peeling e do laser, não ocorre lesão ou a remoção da epiderme, de forma que a descamação provocada pelo microagulhamento é muito mais discreta – e só acontece quando se utilizam agulhas maiores.

Dessa forma, não é necessário se afastar de suas atividades do dia a dia, e o paciente pode voltar ao trabalho e aos exercícios físicos no dia seguinte. Vale lembrar que se a IPCA for feita no rosto, ele estará um pouco vermelho e inchado.

Os pacientes não devem utilizar maquiagem ou outros produtos sobre a área tratada nas próximas 24 horas, devendo utilizar protetor solar no dia seguinte conforme indicado pelo profissional responsável. A exposição ao sol deve ser evitada por 45 dias.

 

Segurança do procedimento

O microagulhamento para estrias e outras imperfeições é um procedimento seguro que não apresenta efeito ablativo e oferece menos risco de manchar a pele do que o peeling e o laser, pois não há remoção da epiderme.

Porém, por se tratar de um tratamento que promove microperfurações, é preciso seguir alguns cuidados. Um dos principais é que o rolo com as agulhas não pode ser reutilizado durante as sessões, por isso você deve escolher uma clínica de total confiança.

Por isso, se você se interessou por esse tratamento, a recomendação é agendar uma consulta na clínica da Dra. Luciana Pepino, onde você contará com o atendimento de profissionais autorizados e capacitados a realizar o microagulhamento com segurança.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).