Fique de olho no peso da bolsa!

Se existe a mulherada viciada em sapatos, há aquelas que não conseguem passar diante de uma vitrine de bolsas sem comprar uma, mesmo sabendo que há milhares estocadas dentro do guarda-roupa. A indecisão entre os modelos do acessório sempre acontece quando vem aquele desejo de renovar o look diário e a dita cuja é o primeiro item a ser trocado. Independente do estilo, uma coisa é inegável: as mulheres gostam mesmo é de bolsas grandes para colocar, como muitos dizem, a vida dentro dela.

É fato que, quanto maior a bolsa, mais coisas são colocadas dentro dela e o peso nem é levado em conta.  É aquela velha desculpa de que é preciso estar prevenida para tudo, né? Só que, ao colocar tudo o que acredita ser necessário para um dia rotineiro, como o de trabalho, a bolsa se torna uma mala de viagem e isso faz com que o corpo fique sobrecarregado, especialmente as costas e os ombros. Celular, nécessaire, agenda, tablet, guarda-chuva, livro, entre outros itens, em conjunto, acarretam dores musculares que influenciam até mesmo na postura.

Sem contar que o peso da bolsa dá espaço para a tendinite.  O público feminino e o masculino não consegue resistir à ideia de levar o mundo nas costas e o erro já começa no modelo do acessório. Esse detalhe pode parecer bobo, mas contribui para o surgimento das dores na região cervical. Opte por uma bolsa mediana, assim você verá o que realmente precisa colocar dentro dela. Para que o peso não ultrapasse limites, a dica é parar e pensar em quais são suas necessidades diárias.

Seja radical e jogue todos os artefatos contidos na bolsa na cama ou sobre a mesa e corte o desnecessário. Organize papéis, carregue versões menores no que condiz a maquiagem que, de quebra, influencia no tamanho do nécessaire. Em pequena quantidade, prefira carregar cadernos e livros nas mãos. Tenha um olho clínico para descobrir o que realmente precisa para enfrentar o dia e não fique com pena de descartar nada.

Decidido isso, organize os objetos dentro do acessório e distribua o peso de uma maneira igualitária. As bolsas de um lado só é preferência feminina, mesmo que a indicação seja as que têm modelo de mochila, pois poupa os ombros. Mas, se não tem jeito de mudar esse gosto pessoal, a dica é revezar na hora de carregar a bolsa de um ombro para outro para evitar sobrecarga. A bolsa carteiro também é uma ótima opção. Por causa da alça transversal, ela fica na altura da coluna vertebral e a carga é suportada de maneira uniforme.

Outros itens que também devem ser levados em conta são a sua idade, a sua condição física e o tempo em que você fica com a bolsa. Prestar atenção nos sinais que o corpo transmite é uma forma de perceber se o acessório está no peso ideal ou não. Se os ombros reclamarem no final do dia, faça uma revisão na bolsa. Essa atitude ajudará a preservar a saúde da coluna.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).