Estrutura facial: saiba quais hábitos podem prejudicá-la

Mulher com estrutura facial

Problemas orofaciais podem comprometer estrutura da face que também é afetada pelo envelhecimento

A estrutura facial é o que determina a condição de simetria ou assimetria do rosto influenciando diretamente a estética do indivíduo, sendo diferente para cada pessoa.

Ter uma estrutura perfeitamente simétrica é algo raro e pequenas assimetrias são normais fazendo com que cada face torne-se única e pessoal.

Por exemplo, a face pode ter harmonia e ser considerada bela tanto se a paciente tiver uma mandíbula mais proeminente ou não, o que influencia é o conjunto do rosto, considerando as demais estruturas.

No entanto, algumas assimetrias mais graves da estrutura facial podem gerar incômodos estéticos e funcionais à paciente. Saiba mais a seguir!

Como funciona a estrutura facial?

A estrutura facial tem relação com as características ósseas da paciente, sendo em parte em decorrência da hereditariedade como também devido comportamentos e hábitos, principalmente na infância.

Entre a infância e a adolescência é possível apresentar distúrbios relacionados a disfunções, como envolvendo a boca, lábios, nariz ou a musculatura craniofacial.

De acordo com especialistas, muitos desses distúrbios estão relacionados às principais funções, como respiração, fala, mastigação, deglutição e outros hábitos relacionados à estrutura do rosto.

Dessa forma, muitos pacientes que apresentam esse tipo de disfunção com impacto na simetria da face apresentam problemas ortodônticos, o que demanda um tratamento dentofacial combinado entre ortodontia e mioterapia.

Assim, algumas das alterações da estrutura da face são causadas ainda na infância, podendo ser intensificadas por hábitos como o uso de chupeta ou mamadeira.

Em pessoas mais velhas, os distúrbios podem estar relacionados com o movimento inadequado da língua na cavidade bucal, flacidez labial, bruxismo, respirar pela boca, principalmente durante o sono e outras causas.

Quais as mudanças na estrutura da face devido à idade?

A estrutura facial de acordo com a idade foi tema de uma pesquisa que utilizou tomografia computadorizada (TC) para avaliar os ossos faciais de 60 homens e 60 mulheres.

Os participantes foram divididos em três grupos etários: jovens (com idades de 20 a 40 anos), de meia-idade (41 a 64 anos) e idosos (a partir de 65 anos).

A constatação da pesquisa foi que a estrutura facial muda com a idade, deixando a aparência mais envelhecida em decorrência do assentamento dos músculos da face nos ossos. As mudanças mais perceptíveis em homens e mulheres incluíram:

  • redução da distância entre a parte mais proeminente e a parte superior do nariz;
  • maçãs do rosto com menos tecido e uma aparência mais cadavérica;
  • recuo da abertura dos ossos do nariz;
  • encolhimento do maxilar inferior em comprimento e altura.

Cada alteração tem uma consequência para a estética facial, como o tamanho da órbita influenciando no surgimento de rugas na testa e pés de galinha.

A pesquisa conclui assim que os ossos faciais perdem volume com a idade, sendo que esse processo é mais precoce entre as mulheres devido à tendência às alterações ósseas em decorrência das mudanças hormonais da menopausa.

Homem com estrutura facial simétrica

Quais hábitos podem minimizar essas transformações?

Como vimos, alguns dos hábitos que resultam nas mudanças da estrutura facial ocorrem ainda na infância.

O ideal é que na vida adulta a paciente tenha um estilo de vida saudável, o que contribui para menores interferências ou disfunções da estrutura orofacial. Entre elas destacam-se:

  • buscar tratamento especializado em caso de disfunções da face, como bruxismo;
  • tratar doenças relacionadas ao sono, como apneia, que pode resultar na respiração bucal;
  • evitar hábitos como mascar, seja chiclete, fumo ou qualquer outra substância;
  • adotar hábitos saudáveis no que se refere à alimentação, reduzindo o consumo de açúcares, sal, processados e gorduras;
  • evitar o cigarro;
  • praticar exercícios físicos para ter a estrutura óssea fortalecida;
  • usar protetor solar diariamente.

Além desses hábitos em si, alguns tratamentos podem ser indicados para que a paciente tenha uma estrutura facial mais harmônica, como é o caso da correção ortodôntica.

O uso de aparelho dentário é uma das soluções para correção de diferentes problemas relacionados à mastigação incorreta ou assimetrias graves na mandíbula.

Quando optar por uma cirurgia plástica?

Como vimos, uma das principais mudanças na estrutura facial em decorrência da idade é a perda do tecido muscular. Dessa forma, alguns tratamentos estéticos podem apresentar resultados satisfatórios nesses casos:

  • enxerto facial: realizado com gordura autógena aspirada de alguma parte do corpo e injetado na região desejada da face, após avaliação detalhada do cirurgião plástico sobre o que causa a assimetria ou incômodo na paciente;
  • preenchimento facial: realizado com ácido hialurônico o tratamento não é definitivo, mas apresenta resultados satisfatório no que se refere ao volume da face, melhorando o contorno.

Em casos mais graves de assimetria ou envelhecimento da face, o cirurgião plástico pode recomendar uma cirurgia plástica:

  • rinoplastia: procedimento que visa fazer correções estéticas no nariz, como melhorando a projeção e aumentando a estrutura nasal;
  • mentoplastia: técnica que visa corrigir assimetrias mais severas no mento (mandíbula), seja ele proeminente ou deficiente;
  • lifting facial: cirurgia recomendada quando as insatisfações com a face estão relacionadas com o envelhecimento facial, como causando a perda de volume facial, excesso de flacidez e outros.

Portanto, as assimetrias com a estrutura facial podem ser corrigidas com diferentes condutas, sendo fundamental uma avaliação especializada para determinar a origem do problema e a melhor conduta.

O objetivo do especialista será sempre o de preservar ou devolver a funcionalidade orofacial alinhada a uma estética mais harmônica e satisfatória à paciente.

 

Agende agora a sua consulta!

 

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).
WhatsApp Clique aqui e fale conosco via WhatsApp