11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

Todo desvio de septo precisa de cirurgia?

Entenda sobre a necessidade da cirurgia de desvio de septo

Indicação da septoplastia, cirurgia para correção do desvio de septo, depende da avaliação da gravidade e sintomas que prejudicam a qualidade de vida da paciente

O desvio de septo é uma condição comum na população, sendo que 85% das pessoas apresentam a condição em algum nível, no entanto, nem todos os casos exigem a correção cirúrgica, chamada de septoplastia.

A indicação da septoplastia vai depender dos sintomas associados ao caso de desvio de septo, de forma que pacientes com comprometimento da qualidade de vida podem precisar fazer a intervenção cirúrgica. Saiba mais a seguir!

O que é desvio de septo?

O septo trata-se da parede vertical que separa as fossas nasais. A estrutura nasal é formada pelo osso nasal e cartilagem envolta em uma camada de mucosa, que consiste em um tecido muito vascularizado.

O desvio de septo consiste em tortuosidades nessa parede, deformando a estrutura nasal interna. A condição pode ser classificada de quatro formas distintas:

  • Desvio simples: quando a estrutura osteocartilaginosa desloca-se para um dos lados, mas sem comprometimento da capacidade respiratória;
  • crista: quando há luxação da articulação condro vomeriana;
  • Esporão: casos nos quais a estrutura osteocartilaginosa pontiaguda se projeta para frente;
  • Misto: quando a estrutura osteocartilaginosa desvia-se para os dois lados, apresentando crista e/ou esporão junto com o desvio.

O desvio de septo misto é o mais comum, mas a indicação cirúrgica só ocorre em casos mais graves e sintomáticos.

Quando a septoplastia é indicada?

Quando o desvio de septo precisa da septoplastia?

 

A septoplastia consiste na cirurgia para correção do desvio de septo. Os sintomas mais comuns relacionados à condição incluem:

  • dificuldade de respirar pelo nariz;
  • dor de cabeça ou na face;
  • quadros recorrentes de sinusite;
  • hemorragia nasal recorrente;
  • obstrução nasal;
  • ronco ou apneia do sono;
  • cansaço excessivo.

Quando esses sintomas estão presentes e comprometem a qualidade de vida ou saúde da paciente a correção do desvio de septo é indicada.

No entanto, não são todas as pacientes que apresentam esses sintomas ou que os sinais representam um fator prejudicial à qualidade de vida.

Dessa forma, a recomendação pela correção deve ser feita por um médico, que pode ser o otorrinolaringologista.

A septoplastia é uma cirurgia segura e rápida e que não demanda incisão externa, no entanto, caso seja necessário fazer a correção do septo, a paciente pode associar o procedimento à cirurgia plástica do nariz, casos nos quais a avaliação deve ser conduzida pelo cirurgião plástico.

Quando se associa a rinoplastia e septoplastia?

Quando a paciente tem alguma insatisfação com a estética nasal, como devido ao tamanho das asas nasais, projeção da ponta, giba nasal ou outras, a cirurgia plástica do nariz pode ser associada à correção do septo, caso o procedimento seja indicado.

Chamada de rinosseptoplastia, a união entre rinoplastia e septoplastia permite que a paciente faça apenas um pré e pós-operatório, evitando duas intervenções cirúrgicas na mesma região.

Além disso, a união dos procedimentos reduz os custos com médicos, centro cirúrgico, internação, exames e outros.

A união entre a rinoplastia e a septoplastia é uma opção da paciente, devendo ser conversada com o cirurgião plástico responsável que vai avaliar, por exemplo, a indicação dos procedimentos, o estado de saúde e as expectativas.

A correção cirúrgica do desvio de septo somada à rinoplastia apresenta resultados funcionais aos pacientes, com melhora da respiração e qualidade de vida, e também benefícios estéticos. Agende sua consulta e saiba mais!

Saiba que todo procedimento envolve riscos. Consulte sempre um médico.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).