11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

Correção de cirurgias mal sucedidas: você não precisa continuar se sentindo mal

A correção de cirurgias plásticas é algo que acontece

Conheça quais são os procedimentos mais sensíveis e como reverter resultados insatisfatórios

Realizar uma cirurgia estética ou funcional e não ter os resultados esperados é, infelizmente, comum. Entretanto, em vez de continuar se sentindo mal em relação à aparência existem as cirurgias para reverter ou amenizar os problemas gerados.

A não correção de cirurgias mal sucedidas podem apresentar consequências tanto à saúde da paciente quanto à autoestima, devido ocasionar mudanças indesejadas na aparência. Com isso, o mais indicado é que, se você passou por essa situação, procure por uma profissional de confiança para realizar a cirurgia corretiva.

Quais cirurgias plásticas têm mais chances de serem mal sucedidas?

Diversos fatores podem influenciar a chegamos a uma correção de cirurgias mal sucedidas, desde a falta de alinhamento entre as expectativas da paciente e a realidade do procedimento, até mesmo questões relacionadas à execução da técnica, reação do organismo ou problemas no pós-operatório.

Como são várias as situações que podem provocar essa indesejada situação, é importante que se avalie os riscos mais comuns e em quais técnicas eles ocorrem com mais frequência.

Silicone

O implante mamário está entre as cirurgias estéticas mais desejadas pelas mulheres. Apesar de ser uma técnica bastante segura, ela precisa ser avaliada com cautela. Os maiores riscos referem-se a pacientes com mamas mais avantajadas, o que aumenta as chances de complicações.

Além do risco de assimetria no resultado, causado normalmente por problemas de planejamento no pré-operatório, também é importante que o cirurgião domine técnicas de incisão que permitam cicatrizes mais discretas, como a vertical ou periareolar.

Rinoplastia e cirurgias no rosto

Outro procedimento bastante complexo e que pode exigir uma cirurgia reparatória é a rinoplastia. A sensibilidade e grande visibilidade do nariz fazem com que qualquer erro nessa técnica gere consequências estéticas ou funcionais graves para a paciente.

Assim, ficou conhecida a rinoplastia secundária, cirurgia voltada para correção da aparência ou funcionalidade do nariz após uma primeira execução mal sucedida ou insuficiente.

Na face em geral, as cirurgias mal sucedidas causam desconforto à paciente e, até mesmo, vergonha da aparência, sendo fundamental corrigir o problema e ter de volta a autoestima.

As insatisfações podem ocorrer desde em cirurgias, como blefaroplastia, otoplastia, mentoplastia e outras, até em procedimentos menos invasivos, como aplicação de toxina botulínica (Botox) ou de ácido hialurônico. Na maioria das vezes é possível reverter os danos e devolver à paciente a aparência desejada.

Lipoaspiração e procedimentos no corpo

A lipoaspiração, assim como outras técnicas no corpo, como abdominoplastia e ninfoplastia, também pode apresentar resultados inesperados quando não realizadas adequadamente ou quando o pós-operatório não é como desejado.

No caso da lipoaspiração, muitos dos resultados insatisfatórios devem-se a uma percepção errada sobre o que a cirurgia pode proporcionar. Apesar de diminuir medidas, a técnica por si só não é suficiente para reduzir peso ou deixar o corpo totalmente escultural.

Quais os problemas mais comuns em cirurgias?

Além de você conhecer quais cirurgias têm mais chances de serem mal sucedidas, é importante saber quais os problemas mais comuns nessas técnicas. Destacamos algumas a seguir. Confira!

Queloide

A queloide consiste em uma produção excessiva de colágeno, que é a proteína responsável pela cicatrização da pele. Apesar de iniciar saliente e rosada, ela pode crescer e adquirir um tom mais escuro.

Essa condição é ocasionada por uma pré-disposição genética, não sendo possível prever quando ela vai acontecer. Ao realizar a cirurgia com um profissional experiente ele fará as indicações para evitar as queloides, como malhas compressivas, placas de silicone ou betaterapia.

O problema pode acontecer em incisões em diferentes locais do corpo e para revertê-lo pode ser necessária uma cirurgia de correção de cicatriz. 

Cicatriz hipertrófica

A cicatriz hipertrófica tem características semelhantes a queloide, mas com intensidade menor, podendo surgir em cerca de duas semanas após o procedimento.

Essa cicatrização também é causa pelo excesso de colágeno produzido e pode regredir entre 6 e 16 meses depois da cirurgia. Caso isso não ocorra, um profissional deve ser procurado para indicar o tratamento adequado.

Fibrose

A fibrose caracteriza-se por uma cicatriz interna formada devido o excesso de tecido conjuntivo fibrose que pode ocorrer durante o processo de cicatrização de órgãos ou tecidos. O problema faz com que haja irregularidades na pele, endurecimento e sensibilidade.

No caso da lipoaspiração esse problema é mais comum e começa a surgir cerca de duas semanas após o procedimento. Nesses casos indica-se o uso de malhas compressoras e sessões de drenagem linfática.

Seroma

O seroma é um líquido formado por plasma, soro fisiológico e linfa que pode surgir alguns dias após a cirurgia no local da incisão deixando a pele avermelhada e dolorida. Ocorre por predisposições genéticas ou pelo não uso da malha compressora. 

Hematoma

Uma das ocorrências mais comuns após cirurgias é o surgimento de hematomas, que consiste no acúmulo de sangue fora dos vasos sanguíneos, apresentando um tom roxo na pele e manchas escuras.

Normalmente, esse efeito desaparece quando o pós-operatório é realizado corretamente.

Deiscência

Também chamada de abertura de pontos, a deiscência pode acontecer quando a paciente estica a região operada ou faz esforço físico. Deve-se ficar atenta a infecções caso isso ocorra, pois os pontos rompidos não podem ser refeitos. Caso o quadro se agrave, procure o médico imediatamente.

Como fazer a correção de cirurgias?

Apesar de indesejados, esses efeitos colaterais podem ocorrer o que faz com que a escolha do cirurgião plástico e os cuidados pré e pós-operatórios sejam fundamentais para evitar algumas dessas ocorrências.

Caso mesmo com esses cuidados você tenha tido uma experiência insatisfatória com uma cirurgia e não esteja contente com o resultado, fazer uma correção de cirurgia é possível, seja para amenizar cicatrizes protuberantes, melhorar a aparência da região ou evitar problemas de saúde decorrentes do procedimento mal executado.

A cirurgia plástica deve ser um procedimento realizado para te deixar mais satisfeita e confiante com a aparência. Caso isso não aconteça, procure uma profissional de confiança para a correção de cirurgias plásticas mal sucedidas.

Saiba que todo procedimento envolve riscos. Consulte sempre um médico.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).