11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

É comum a pele ficar flácida após a lipoaspiração? Entenda os casos

Mulher com a pele flácida após a lipoaspiração

Uma das consequências desagradáveis da lipoaspiração pode ser a flacidez na região que passou pelo procedimento. Saiba quando isso acontece

A lipoaspiração é uma das cirurgias plásticas mais realizadas no Brasil. Com o objetivo de modificar o contorno corporal, essa técnica consiste na aspiração da gordura localizada em regiões do corpo como abdômen, flancos, coxas e quadris, entre outras.

Apesar de ser tão popular, a lipoaspiração pode trazer algumas complicações, assim como qualquer outra cirurgia. Embora a maior parte dos pacientes apresente um resultado satisfatório, ele deverá estar ciente de que podem surgir resultados negativos, mesmo que o cirurgião seja extremamente habilidoso e tenha usado as melhores técnicas disponíveis.

Entre as possíveis complicações está o surgimento da flacidez da pele na região lipoaspirada, um resultado antiestético bastante indesejável, que é pior em pacientes que já apresentam certo grau de flacidez antes da cirurgia.

Embora a flacidez não seja de forma alguma um problema de saúde, é fato que muitas pessoas, principalmente as mulheres, se sentem desconfortáveis com essa característica, chegando a ter problemas sérios de autoestima. Provavelmente, você conhece alguém que se priva de ir à praia ou de realizar alguma outra atividade por se envergonhar do excesso de pele, e isso certamente afeta a qualidade de vida dessa pessoa.

Mulher segurando o excesso de pele na barriga após a lipoaspiração

Nossa pele é elástica, mas tem um limite

Uma das propriedades da nossa pele é a de conseguir se esticar para acomodar um aumento de volume do nosso corpo e a de se retrair quando o volume diminui. Esse fenômeno de expansão pode ser observado na fase de crescimento, na gravidez ou quando há um aumento de peso, por exemplo.

Por outro lado, quando emagrecemos ou depois que damos à luz, nossa pele é capaz de se retrair graças à ação da elastina e do colágeno. Quando uma região do corpo passa por uma lipoaspiração, acontece uma redução do volume, e o esperado é que a pele se retraia para acompanhar as novas formas.

Apesar dessa capacidade, nem sempre a pele conseguirá voltar ao seu estado original, dependendo da região do corpo que foi aspirada e da produção de elastina e colágeno pelo paciente, que diminui com a passagem dos anos.

Você pode pensar em um balão para entender como isso funciona: quando sopramos ar para dentro dele, suas paredes se expandem. Quando esvaziamos o balão, ele diminui de tamanho, quase voltando ao seu formato original, mas é possível ver que a “pele” perdeu um pouco da sua firmeza. É isso que acontece quando a pele quando perdemos muito peso ou fazemos uma lipoaspiração.

Eu vou ter flacidez depois da lipoaspiração?

É impossível responder a essa pergunta com 100% de certeza. Seu cirurgião plástico é a melhor pessoa para avaliar se a sua pele está mais ou menos propensa a apresentar flacidez. Porém, por mais detalhado que seja o exame, não é possível garantir que essa consequência vai ou não acontecer.

Pacientes que já apresentem um grau de flacidez antes de realizar a lipoaspiração têm mais chances de apresentar essa consequência negativa depois da cirurgia plástica, pois é sabido que a pele do paciente em questão tem uma capacidade de retração reduzida.

Da mesma forma, a idade do paciente também é um fator a se considerar, pois, com o passar dos anos, nossa produção de colágeno e elastina é diminuída. Embora os efeitos dessa mudança sejam vistos com mais facilidade no rosto, eles também podem contribuir para o surgimento da flacidez depois da lipoaspiração.

Além disso, quanto maior for o volume de gordura aspirada de uma região, maior é a probabilidade de a pele apresentar flacidez. Com uma grande diminuição de volume em uma área do corpo, será mais difícil que a pele se retraia e se acomode na nova silhueta.

Vale lembrar que o surgimento da flacidez depois de uma lipoaspiração não depende da perícia e do cuidado do cirurgião, mas sim das características de cada pele. Dependendo do caso, o médico poderá sugerir que seja feita a retirada do excesso de pele em conjunto com a lipoaspiração, prevenindo esse efeito.

Existe tratamento para a flacidez pós-lipoaspiração?

Sim, felizmente existem várias técnicas para tratar a flacidez que pode surgir depois de uma lipoaspiração. Antes de escolher um tratamento, porém, é essencial conversar com o seu cirurgião plástico, pois ele poderá indicar as melhores opções para o seu caso.

Uma das técnicas utilizadas é a carboxiterapia, que consiste na injeção de gás carbônico logo abaixo da pele ou no tecido adiposo.

O Ultra Accent XL, por sua vez, é um aparelho de radiofrequência que provoca a oscilação das moléculas de água por meio de ondas magnéticas, gerando calor. Com isso, há uma estimulação na produção de colágeno e elastina, ajudando a combater a flacidez.

Dependendo do grau da flacidez apresentada, poderá ser necessário recorrer a uma nova cirurgia para a retirada do excesso de pele, de forma a obter os resultados desejados pelo paciente.

Por mais populares que sejam, as cirurgias sempre envolvem alguns riscos e consequências, que devem ser devidamente explicados ao paciente durante a consulta. Embora a maior parte dos pacientes fique bastante satisfeita com os resultados obtidos com uma lipoaspiração, o surgimento da flacidez é uma consequência indesejável que deve ser considerada antes da decisão pela cirurgia.

 

 

 

Saiba que todo procedimento envolve riscos. Consulte sempre um médico.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).