Contra indicações de cirurgia: quais remédios não se deve tomar antes?

Sempre informe ao cirurgião todos os remédios e medicamentos que você costuma utilizar, pois eles podem interferir na coagulação, na cicatrização ou na anestesia.

Toda intervenção cirúrgica requer algum tipo de preparação, como a suspensão de determinados medicamentos, e isso não é diferente para as plásticas. Por isso, hoje nós vamos conversar sobre remédios que podem ser contra indicações de cirurgia.

Todas as substâncias que nós ingerimos com a finalidade de obter algum benefício para o corpo podem interferir em uma cirurgia, até mesmo uma simples aspirina ou medicamentos fitoterápicos (derivados de plantas).

Dependendo do remédio, ele pode impactar a coagulação sanguínea e a cicatrização ou então interferir negativamente com o anestésico. Porém, se você usa um medicamento de forma contínua, não se deve interromper o tratamento sem orientação.

Dessa forma, o ideal é você fazer uma lista de todos os remédios e medicamentos que você costuma utilizar e perguntar ao cirurgião se você deve suspender algum deles. Como alguns devem ser interrompidos por até 30 dias, esse planejamento deve ser feito com antecedência.

Remédios e medicamentos que podem ser contra indicações de cirurgia

A melhor pessoa para orientá-la sobre os remédios que não podem ser tomados antes de uma cirurgia é o seu médico. Além disso, em caso de doenças crônicas, será necessário conversar com o especialista da área para avaliar a melhor forma de proceder.

Contudo, para que você possa ir se preparando para a sua plástica desde já, nós listamos os principais remédios e medicamentos que podem representar contra indicações de cirurgia. Saiba quais são e fique bem informada:

  1. Remédios para “afinar o sangue” (antiagregantes plaquetários)

Os medicamentos que “afinam o sangue” servem para evitar que as plaquetas se aglomerem e formem coágulos, que podem causar infarto ou derrame. Porém, seu efeito pode aumentar os sangramentos durante uma cirurgia.

Dessa forma, eles devem ser suspensos por 7 a 10 dias antes do procedimento. O mais famoso deles é a aspirina (ácido acetilsalicílico ou AAS), mas existem outros exemplos, como o bissulfato de clopidogrel e ticagrelor.

cartelas de comprimidos diferentes
  1. Anticoagulantes

Como o próprio nome indica, esses medicamentos impedem a formação de coágulos sanguíneos, de forma similar aos remédios para “afinar o sangue”. Contudo, eles costumam ser utilizados quando há um risco maior de tromboembolismo.

O cirurgião pode solicitar a suspensão de medicamentos como varfarina, rivaroxabano e dabigatrana, mas será necessário adotar outros cuidados para evitar complicações relacionadas ao excesso de coagulação.

  1. Anti-inflamatórios

Alguns dos anti-inflamatórios não esteroidais estão entre os medicamentos mais utilizados no dia a dia, mas eles também apresentam efeito anticoagulante e podem aumentar o risco de hemorragia, por isso eles entram na lista de contra indicações de cirurgia.

Em geral, recomenda-se a suspensão três dias antes do procedimento. Exemplos: AAS, ibuprofeno, naproxeno, diclofenado, meloxicam, piroxicam, celecoxibe etc.

  1. Anticoncepcional oral, injetável ou adesivo

Os anticoncepcionais à base de hormônios fazem o efeito contrário dos medicamentos citados até então e podem aumentar o risco de trombose em uma cirurgia por favorecer a formação de coágulos.

O risco deve ser avaliado individualmente, e o cirurgião pode solicitar que você interrompa o uso de pílula, injeção ou adesivo anticoncepcional por pelo menos 30 dias. Aproveite para conhecer os principais mitos e verdades sobre a pílula.

  1. Insulina e outros medicamentos para diabetes

Outras contra indicações de cirurgia estão nos medicamentos para a diabetes. Isso acontece porque eles agem diminuindo as taxas de glicose no sangue, podendo levar a uma hipoglicemia em função do jejum.

Por isso, pode ser necessário suspender o uso por um ou dois dias de medicamentos como metformina, glicazida, glibenclamida e liraglutida, entre outros. No caso das insulinas, o cirurgião poderá optar por reduzir a dose.

  1. Medicamentos fitoterápicos

Medicamentos derivados de plantas, como cápsulas de alho, erva-de-são-joão, ginkgo biloba, ginseng, guaco, kava-kava, passiflora e valeriana, entre outros, aumentam o risco de sangramento, por isso seu uso deve ser suspenso antes da cirurgia conforme orientação médica.

Embora sejam vistos como “naturais”, o que frequentemente é confundido como “inofensivo”, os medicamentos fitoterápicos podem oferecer contra indicações de cirurgia por reduzir a capacidade de coagulação sanguínea e impactar a anestesia.

  1. Vitamina E e suplementos energéticos

Há indícios de que a vitamina E também pode aumentar o risco de hemorragia, especialmente em pacientes que já utilizam medicamentos anticoagulantes ou para afinar o sangue. Dessa forma, pode ser perigoso consumir cápsulas dessa vitamina antes de uma cirurgia.

Da mesma maneira, suplementos como cápsulas de cafeína, guaraná e chá-verde, entre outras substâncias estimulantes, também podem favorecer os sangramentos.

xícara e pires azul em cima de uma bancada de madeira com liquido quente dentro ao ar livre

Não deixe de ver – Existe uma idade máxima para realizar cirurgias plásticas?

Sempre consulte seu cirurgião

Tenha em mente que pode haver outros medicamentos na lista de contra indicações de cirurgia, por isso seu médico deve avaliar todos os remédios que você utiliza para determinar se algum deles deve ser suspenso.

Além disso, lembre-se de não interromper nenhum tratamento sem orientação, pois isso pode ser perigoso para a sua saúde e até mesmo oferecer mais riscos do que se você ingerisse o medicamento como de costume.

Para ter certeza de que você está em boas mãos e saber mais sobre os preparativos para o seu procedimento, agende uma consulta com a Dra. Luciana Pepino e aproveite para descobrir os tratamentos estéticos e cirurgias plásticas mais indicados para você se sentir ainda mais linda.

  • 39
    Shares

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).