11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

Cirurgia plástica emagrece?

Procedimentos como abdominoplastia e lipoaspiração são feitos para moldar o corpo, não para emagrecer. Veja aqui os motivos!

Quantas pessoas você conhece que estão absolutamente satisfeitas com a imagem que veem no espelho? Que não falem do corpo da juventude com saudade, que não gostariam de ter alguns quilos a menos? Praticamente todo mundo, homens e mulheres, sonha com um corpo escultural – e os números mostram isso: a cada 15 cirurgias plásticas feitas no mundo, uma delas é no Brasil. Segundo a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica a mulher brasileira é a que mais faz plástica no mundo e, entre os procedimentos mais comuns estão a abdominoplastia e a lipoaspiração. Muito se decepciona, no entanto, quem pensa que a cirurgia plástica emagrece. Ao contrário, muitas candidatas se surpreendem ao ouvir que, entre os procedimentos pré-operatórios está, justamente, o emagrecimento.

Quanto mais próximo do peso ideal, melhor o resultado

A ideia não é fazer ninguém desistir da operação, muito pelo contrário. Na verdade é preciso entender os vários aspectos que envolvem a necessidade de emagrecimento antes do procedimento. O primeiro deles é lembrar que quando alguém engorda, engorda de dentro para fora. Sim, os órgãos também engordam, é a chamada gordura visceral, que não é operável em uma cirurgia plástica – que pode manipular apenas da camada dos músculos retoabdominais para fora, a pele. Por isso, quando você emagrece antes da cirurgia, está diminuindo também o volume dos órgãos que, acredite, faz bastante diferença. Por outro lado, procedimentos como a lipoaspiração só podem extrair entre 5% e 7% do peso total da paciente, sob risco de comprometer demais a saúde, portanto quanto mais acima do peso você estiver, mais discreto será o resultado. Outros fatores também são levados em conta, como a harmonia corporal, por exemplo.

Novos hábitos ajudam a ter novo visual

Procedimentos como a abdominoplastia e a lipoaspiração devem ser feitos para moldar o corpo, dar forma e reduzir gorduras localizadas – não gorduras generalizadas. Por isso, quem coloca na cirurgia todas as suas esperanças de emagrecimento na realidade espera se livrar de exercícios físicos e dieta, quando, na verdade, são eles que poderão ajuda-la antes e depois do procedimento. Mudar os hábitos alimentares deve ser o primeiro passo para a redução de peso. Procurar alimentos saudáveis, livres de gorduras, de excesso de sal e de açúcar, fazer uma dieta balanceada com acompanhamento médico é essencial para um processo que vai muito além da cirurgia plástica. A reeducação alimentar combinada a exercícios físicos regulares é o melhor caminho para diminuir medidas e ficar o mais próximo possível do peso ideal.

É preciso também emagrecer por dentro

Ao mesmo tempo você estará colaborando para que o emagrecimento ocorra de dentro para fora, reduzindo o percentual de gordura visceral – que não pode ser removida durante a cirurgia plástica. Além de fazer volume no abdome, “engordando” os órgãos, ela também é prejudicial à saúde. Após a recuperação da cirurgia, por outro lado, é essencial que os novos hábitos sejam mantidos, com alimentação adequada e exercícios físicos. O ideal é procurar um nutricionista e entrar para uma academia, onde o corpo acabará de ser moldado e será feita a manutenção do peso. Tanto a lipoaspiração quanto a cirurgia plásticas não são soluções, mas incentivos para uma vida mais saudável e de bem com o espelho.

Saiba que todo procedimento envolve riscos. Consulte sempre um médico.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).