Menu

Setembro Amarelo: o mês de combate ao suicídio. Entenda como você é o seu principal fator de cura

A depressão nos impede de analisar a realidade com clareza, por isso é fundamental aceitar e buscar acompanhamento médico logo no início dos sintomas.

O tema é polêmico e, muitas vezes, preferimos evitá-lo. Porém, quanto menos se fala nele, mais ele espalha, mesmo que silenciosamente. Por isso, resolvemos embarcar na campanha do Setembro Amarelo para falar sobre o suicídio.

Desde 2015, essa campanha se propõe a conscientizar a população sobre a realidade do suicídio no Brasil. De acordo com os registros oficiais, o país contabiliza 32 vítimas todos os dias, mas o assunto continua sendo um tabu.

Contudo, quando nos mantemos em silêncio e fugimos do assunto, torna-se mais difícil reconhecer os sinais de que uma pessoa próxima está tendo pensamentos suicidas. Da mesma forma, fica ainda mais improvável que nós mesmos percebamos quando temos esse problema.

Setembro amarelo: falar sobre o suicídio é a nossa melhor defesa

Assim como aconteceu com o câncer e a AIDS, foi preciso quebrar muitos paradigmas para que esses temas fossem amplamente debatidos, de modo a levar mais informação para as pessoas sobre como se prevenir e se tratar.

Agora, é o suicídio que ocupa esse posto: precisamos romper o silêncio para conscientizar a nós mesmos e às pessoas ao nosso redor – e, dessa forma, aprender a lutar contra esse mal silencioso.

setembro amarelo prevenção

Pensando nisso, uma soma de esforços entre o CVV (Centro de Valorização à Vida), o CFM (Conselho Federal de Medicina) e a ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria) deu origem à campanha do Setembro Amarelo, com atividades que visam divulgar essa causa.

Neste mês, são feitas atividades como caminhadas, palestras, passeios ciclísticos e passeios de moto, além de ações como a iluminação de monumentos e prédios com luzes amarelas – tudo para chamar atenção para esse problema e trazê-lo à tona.

Confira – 03 receitas com cenoura para se manter saudável!

Depressão: a principal causa por trás dos suicídios

A depressão é um distúrbio mental que leva a pessoa a ter sentimentos constantes de tristeza e desinteresse, além de sintomas físicos, mentais e comportamentais, como alterações do sono e do apetite, ansiedade, desesperança e isolamento social.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 90% das pessoas que se suicidam sofriam com algum transtorno mental – sendo que 10% a 15% dos pacientes com depressão grave tentam tirar a própria vida.

Apesar disso, estima-se que cerca de 60% das vítimas de suicídio nunca tiveram acompanhamento de um psiquiatra ou psicólogo – e isso acontece porque os transtornos mentais ainda não são vistos como qualquer outra doença, como diabetes ou pressão alta.

Embora a depressão seja uma doença crônica, o tratamento com medicamentos, terapia e internação quando necessário pode oferecer uma qualidade de vida muito melhor, permitindo um bom controle dos sintomas.

Por isso, se você desconfia que você mesmo ou alguém que você conhece esteja apresentando sintomas de depressão, é essencial buscar orientação médica.

Quando o problema acontece conosco, pode ser ainda mais difícil reconhecê-lo. Por isso, se seus familiares já sugeriram que você deveria procurar um médico, dê um crédito a eles. Se necessário, peça ajuda a uma pessoa próxima para agendar uma consulta.

Não deixe de ver – Eleve sua autoestima, confira 05 motivos para se amar!

Saiba reconhecer sinais de comportamento suicida

De acordo com a OMS, 9 em cada 10 suicídios poderiam ser evitados se as pessoas próximas à vítima soubessem como reconhecer os sinais de que ela estava prestes a tirar a própria vida. Por isso, é fundamental estar atento a manifestações como:

  • Tristeza constante e isolamento social: sentir-se desanimado com tudo e querer se afastar das pessoas não é um comportamento que “vai passar” e, com o tempo, pode tirar o interesse da pessoa pela própria vida;
  • Faltas na escola e no trabalho: o sofrimento interno é tão grande que a pessoa não consegue mais atender aos seus compromissos, já que ela não tem mais interesse em sua rotina;
  • Pensamentos e frases de alerta: frases como “eu quero sumir”, “não aguento mais a minha vida e “logo vou dar um jeito de acabar com tudo isso” não são meras tentativas de chamar atenção, devendo ser entendidas como um alarme claro;
  • Consumo de álcool e drogas: pessoas deprimidas têm uma tendência maior a abusar do álcool e outras drogas. Porém, a combinação da depressão com essas substâncias têm um efeito ainda mais avassalador sobre o humor, aumentando o risco de suicídio;
  • Melhora repentina e inexplicável: um paciente muito deprimido que, de repente, parece estar curado na verdade pode estar se sentindo mais aliviado simplesmente porque já elaborou seu plano de suicídio, o que “resolveria seus problemas”.

É muito difícil reconhecer esses sintomas em nós mesmos, pois, quando estamos com um transtorno grave do humor, nossa capacidade de analisar o mundo, a realidade e nossos próprios sentimentos fica muito prejudicada.

Dessa forma, o alerta em relação aos nossos próprios pensamentos precisa surgir muito antes, quando a depressão ainda não é tão grave. Por isso, se as pessoas próximas insistirem que você busque ajuda médica, não hesite em fazer isso!

Veja também – Melhore a sua qualidade de vida com 07 exercícios incríveis de Ioga para fazer em casa!

Você é a sua melhor cura

Se você está enfrentando um período difícil em sua vida, procure fazer um trabalho mental para tranquilizar seus pensamentos.

setembro amarelo

Tente se lembrar do seguinte:

  • Você vale a pena: você já sobreviveu a outras dificuldades e a outros dias difíceis. Você tem sim muito valor – e existem muitas pessoas ao seu redor que amam você verdadeiramente, mesmo que seja difícil acreditar;
  • Dê tempo ao tempo: você não precisa se sentir perfeitamente bem de uma hora para outra. Em vez disso, valorize pequenos momentos em que você consegue superar esses sentimentos, pois logo esses poucos minutos se tornarão horas, dias e semanas;
  • Você fez o melhor que você podia: se você estava enfrentando um sofrimento tão grande que tudo o que você fez foi sair da cama e escovar os dentes, parabéns! Isso já demandou toda a sua energia. Agora, descanse para estar mais disposto amanhã;

Além disso, você pode aproveitar o Setembro Amarelo para buscar ajuda médica e psicológica. Não tenha vergonha de fazer isso, pois cuidar de si mesmo é fundamental para manter sua saúde como um todo.

Você já tinha ouvido falar nessa campanha? Já presenciou alguma ação do Setembro Amarelo na sua cidade? Compartilhe com a gente nos comentários!

Clínica de cirurgia plástica Dra. Luciana Pepino. Entre em contato. 

  • 14
    Shares