As diferenças entre ioga e pilates

Na dúvida entre pilates e ioga? Saiba um pouco mais sobre cada uma dessas técnicas, conheça seus pontos em comum e suas diferenças, e, aí sim, faça a sua escolha!

Ambos fazem bem ao corpo e à mente, trabalham a concentração, a consciência e a correção posturais, trabalham a respiração através de exercícios e ajudam a desenvolver o autocontrole – e talvez por isso ainda haja tanta gente que confunde ioga e pilates. Sim, as duas técnicas têm pontos em comum, mas são muito mais diferentes do que aparentem sob um olhar superficial. Uma delas está na própria origem: enquanto a ioga é uma técnica milenar originária da Índia, o pilates foi criado pelo alemão Joseph Hubertus Pilates por volta de 1919, com base na fisiologia humana que estudava como autodidata e na medicina oriental. O primeiro estúdio de pilates foi aberto em Nova York em 1923. Mas para quem está em dúvida sobre qual caminho seguir, o ideal é conhecer um pouco mais o curso que cada um seguiu a partir da sua origem, e fazer a sua escolha.

A ioga trabalha o corpo promovendo a flexibilidade, estimulando o equilíbrio mental e espiritual, buscando o autoconhecimento. A prática da ioga envolve fatores múltiplos, como exercícios respiratórios, movimentos específicos, meditação, postura e até algumas mudanças no estilo de vida, como na alimentação, por exemplo. A ideia é unir corpo, mente e espírito de forma que essa harmonização gere relaxamento e cura. O corpo torna-se mais flexível, a respiração melhora e a mente se aclama. Os exercícios são feitos em pequenos grupos sobre esteiras, usando o próprio corpo como fator de resistência em uma grande quantidade de posições e movimentos padronizados entre uma postura e outra. A ioga é especialmente indicada para quem procura sensação de equilíbrio, calma e felicidade, o que acaba se refletindo na redução do estresse e da ansiedade cotidiana.

O pilates, por sua vez, também busca o relaxamento e a harmonia trabalhando a concentração e o controle, mas preparando o corpo para outras atividades físicas também. Ele trabalha em cima de 6 conceitos: concentração, respiração, centralização, controle, fluxo e precisão. O pilates favorece o alinhamento corporal, exercitando músculos específicos através de uma série de movimentos controlados que podem ser feitos com ou sem equipamentos. A técnica dá ainda especial enfoque à musculatura abdominal, das costas e das nádegas, que servem como centro de todos os movimentos, alongando e estabilizando a coluna, melhorando a postura, o equilíbrio e a força total. Como é uma técnica de baixo impacto, o pilates tem sido recomendado como uso também terapêutico, já que ajuda a prevenir lesões e colabora para a reabilitação fisiológica. O resultado é que o equilíbrio entre flexibilidade e força resulta em um corpo mais magro, forte e estabilizado, já que o treino é simétrico para todos os grupos musculares.

Em comum, ambas as técnicas têm como objetivo fundamental sintonizar o corpo e a mente tendo a respiração como fio condutor, o que busca propiciar uma melhor qualidade de vida. Da mesma forma, tanto o pilates quanto a ioga trabalham a postura, a consciência corporal e a tonificação do corpo, reduzindo as tensões do dia a dia. A coluna, em ambos os casos, é fortalecida eliminando desconfortos e garantindo mais vigor também para ouras atividades. No entanto, enquanto o pilates é feito com o uso de equipamentos, a ioga necessita apenas de uma esteira. Ela também prioriza a conexão entre o corpo e a mente, enquanto a prioridade do pilates é o corpo saudável e a boa forma, fortalecendo a musculatura. Na hora da escolha, pense qual o objetivo que você pretende alcançar e dedique-se, porque em ambos os métodos os principais benefícios físicos e mentais só aparecem a longo prazo.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).