Menu

Ginecomastia Masculina: Como o Crescimento das Mamas Afeta a Autoestima dos Homens

As mamas são um símbolo da feminilidade, por isso elas causam muitos transtornos psicológicos quando aparecem nos homens. Felizmente, existe solução!

Um volume maior do que o desejado no peito, deixando os homens com mamas semelhantes aos seios femininos: essa é a ginecomastia masculina, um problema que traz muitos transtornos a jovens e adultos.

O desenvolvimento das mamas é um dos primeiros sinais de que a menina está entrando na adolescência e, em alguns anos, se tornará uma mulher. Afinal, os seios são um dos símbolos mais fortes da feminilidade.

Por isso, mesmo que o crescimento das mamas em homens não represente um problema de saúde (exceto quando se trata de um tumor), essa condição certamente traz muitos problemas de autoestima e insegurança.

As causas da ginecomastia masculina

O crescimento das mamas em pacientes do sexo masculino pode atingir pacientes em qualquer idade, inclusive os recém-nascidos. Nesse caso, essa costuma ser uma reação aos hormônios femininos da mãe, mas esse efeito tende a regredir sozinho em pouco tempo.

Contudo, 65% dos casos acontecem na adolescência, por volta dos 14 a 15 anos. O motivo costuma ser um desequilíbrio com aumento do hormônio feminino (estrogênio) em relação ao hormônio masculino (testosterona).

O mais comum é que a condição atinja as duas mamas, mas em 25% dos casos ela é unilateral. A testosterona também está envolvida na ginecomastia masculina na vida adulta, quando a condição acontece devido a uma diminuição na produção desse hormônio pelo organismo.

Além da testosterona, outro fator que pode causar esse problema é o excesso de tecido adiposo, que se acumula na região e forma as mamas. Quando a única causa é a gordura, sem envolver os hormônios, a ginecomastia é chamada de lipomastia ou pseudoginecomastia.

Outras causas incluem uso de anabolizantes, o hipertireoidismo, o tratamento quimioterápico e as doenças hepáticas e renais.

médica medindo a pressão do paciente estética masculina

As limitações pessoais e sociais da ginecomastia masculina

Mesmo quando não existe uma doença orgânica que leve ao aumento das mamas em homens, ela merece a devida atenção porque os pacientes afetados podem sofrer muitos transtornos psicológicos.

Esse efeito é ainda mais grave na adolescência, uma fase da vida em que passamos não apenas por dilemas emocionais, mas também temos muitas inseguranças em relação ao corpo que está se transformando – e a ginecomastia masculina deixa isso tudo ainda mais acentuado.

Assim, ao perceber que suas mamas estão se desenvolvendo, adolescentes e adultos do sexo masculino se sentem muito incomodados com sua aparência, deixam de ir à praia e limitam seus relacionamentos afetivos.

Em muitos casos, a situação pode ser ainda mais grave porque o problema pode ser notado mesmo sob as roupas, causando constrangimento para ir à academia, praticar esportes ou mesmo para ir ao trabalho ou à escola, trazendo grandes prejuízos para o paciente.

A ginecomastia masculina pode se corrigir sozinha?

Assim como acontece nos recém-nascidos, a ginecomastia masculina pode regredir espontaneamente nos adolescentes. Porém, esse processo é bem mais demorado nessa fase da vida, podendo levar cerca de dois anos.

Quando a única causa do crescimento das mamas é o excesso de gordura, a perda de peso também pode corrigir o problema. Contudo, quando o desenvolvimento também envolve um excesso de glândula mamária, o tratamento é cirúrgico.

Cirurgia de ginecomastia

Também chamada de mamoplastia redutora, a cirurgia para corrigir a ginecomastia promove a remoção do volume extra, redesenha mamilos e a aréolas que tenham se alargado e deixa o contorno do tórax com um perfil mais masculino.

A cirurgia é feita com anestesia geral ou anestesia local com sedação intravenosa, sempre em ambiente os hospitalar, e tem duração média de 1 a 2 horas.

O procedimento pode ser feito por meio da ressecção (que consiste na remoção da pele excedente e do tecido glandular), da lipoaspiração (que remove o excesso de gordura) ou da associação entre as duas técnicas, conforme as características do paciente.

Se necessário, pode ser feita a remodelação e o reposicionamento da aréola e do mamilo, reduzindo o tamanho e corrigindo seu local de inserção. Em geral, o paciente recebe alta algumas horas depois da cirurgia.

Cuidados no pós-operatório

A recuperação da cirurgia de ginecomastia precisa de alguns cuidados como o uso da cinta de compressão por 30 dias ou mais para dar o suporte necessário aos tecidos em suas novas posições, ajudando a cicatrização.

Os pontos costumam ser feitos com material autoabsorvível, o que elimina a necessidade de removê-los na clínica. Alguns pacientes precisam utilizar o dreno para evitar o acúmulo de líquidos na região operada (seroma).

Outra medida que evita o acúmulo de líquidos é a drenagem linfática. As sessões devem ser feitas conforme a orientação do cirurgião plástico e também ajudam a remodelar as cicatrizes, combatendo a formação de fibroses.

O paciente deve evitar fazer esforço físico por 15 dias e não deve fazer movimentos dos braços acima da linha dos ombros por pelo menos 30 dias. As atividades físicas podem ser retomadas gradualmente depois do primeiro mês, de acordo com a orientação médica.

Você também pode gostar de: Os melhores alimentos para antes e depois de um procedimento cirúrgico. 

homem sem camisa na praia estética masculina

Os resultados da cirurgia de ginecomastia masculina

Assim como outras plásticas, esta cirurgia terá a formação de cicatrizes que são mais avermelhadas no começo, mas tendem a clarear entre 12 a 18 meses depois do procedimento, adquirindo uma aparência bastante discreta.

Em geral, as incisões são feitas na borda inferior da aréola, em formato de meia-lua, dando origem a cicatrizes que acompanham esse traço. Não é possível evitar totalmente os queloides, mas os resultados costumam ser bastante satisfatórios.

A cirurgia de ginecomastia é uma solução eficiente e segura para esse problema que tanto incomoda os homens. Por isso, caso você ou seu filho apresentem essa condição, vale a pena agendar uma avaliação com a Dra. Luciana Pepino para saber mais sobre o procedimento.

  • 6
    Shares

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).