A lendária Coco Chanel

coco chanel

A história da moda é repleta de estilistas que influenciaram esse universo que se torna mais amplo e cheio de variedades conforme os anos passam. Muitas tendências foram eternizadas graças ao olhar peculiar no que condiz a ter estilo desses figurantes. E, o mais interessante, é que eles se empenharam em expor seus pontos de vistas com relação à moda da qual acreditavam, sem receio. Todos possuem um item que se sobressai até hoje, como o vestido preto de Coco Chanel, estilista inspiradora marcada por ser um símbolo feminista.

Entre roupas formidáveis e perfumes, Gabrielle Bonheur Chanel não teve um começo fácil. Ela viveu grande parte da infância e da adolescência no interior da França e teve que trabalhar para ajudar com as despesas da família. Ela até brincou de ser cantora em um café, trabalho que não durou muito tempo, mas nessa época as pessoas já a chamavam de Coco, apelido dado por seu pai e que a imortalizou. Ao ser inserida no cotidiano da elite francesa, a mulher encontrou o ponto de criatividade que a faria uma das mais célebres estilistas do mundo.

Coco foi cativada pela Belle Époque, movimento cultural e artístico que perdurou até a 1ª Guerra Mundial, e depois de muitos desencontros amorosos, abriu a primeira loja de chapéus, item que a encantou na moda da década de 20. Mas uma coisa que realmente a preocupava era a questão do comodismo feminino que, em sua opinião, não existia, pois as roupas eram apertadas e incômodas. Por essa perspectiva, a estilista começou uma revolução feminista silenciosa que deu origem à primeira loja de costura da França.

Foi lá que ela criou peças femininas pioneiras tendo como base suas próprias experiências com a moda da época, como as calças, item que Coco causou alvoroço por ter usado uma versão masculina nos dias de passeio a cavalo ao invés dos saiotes. A estilista quebrou muitos paradigmas com seu modo de perceber o estilo feminino e, aos poucos, conquistou as mulheres, cansadas dos penachos de cabelo e dos trajes desconfortáveis. E foi por causa delas que Coco não deixou de produzir sua coleção que oferecia bem-estar à clientela.

Indo contra a maré, Coco marcou a moda desportiva para mulheres. Contudo, o clássico do estilo Chanel foi o vestido preto, que ganhou força com o clássico Bonequinha de Luxo, figurado por Audrey Hepburn. Optar pelo tecido escuro foi considerado um desafio da parte dela, pois o tom era destinado para momentos de luto e para viúvas. Sem contar que era praticamente um tubinho, o que escandalizou na década de 20. Com tanta criatividade, não foi difícil ela reunir uma legião de seguidoras que não vivem sem o seu Chanel.

Em uma das suas frases mais populares, Coco pontuou que seu design de roupas tinha a ver com estilo e não como um exemplo de moda a ser seguida, pois é a maneira como você se veste que permanece e não as tendências, pois elas sempre vão embora. Ela deu braços e pernas às mulheres em um século em que elas viviam enclausuradas em convescotes e salões, onde os trajes incomodavam o corpo e limitavam o gesto. Isso contribuiu para que ela se tornasse uma estilista audaciosa e respeitada com um legado fashionista respeitado.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).