11 3285-6412
Dra. Luciana L. Pepino / Diretora Técnica Médica
CRM/SP: 106.491 RQE: 25827
Segunda a Sexta-Feira
das 10h às 19h

Fibrose na cirurgia plástica: o que é e como evitar

Saiba o que é a fibrose na cirurgia plástica

Riscos da fibrose na cirurgia plástica podem ser diminuídos com cuidados adequados no pós-operatório.

 A fibrose na cirurgia plástica é um efeito colateral que nem sempre pode ser prevenido, mas conhecer detalhadamente o que é esse problema e quais as formas de preveni-lo é fundamental para uma escolha mais consciente.

Já na consulta de avalição o cirurgião plástico informa quanto aos riscos da intervenção cirúrgica, o que inclui a fibrose, e também se o procedimento a ser realizado tem maiores ou menores chances de apresentar essa condição. Entenda melhor a seguir!

O que é a fibrose na cirurgia plástica?

O que nem todas as pessoas sabem é que, assim como ocorre a cicatrização da pele, os tecidos internos também passam por traumas e danos durante o procedimento formando cicatrizes que são chamadas de fibroses.

Uma das cirurgias plásticas na qual as chances de fibrose são maiores é a lipoaspiração. As cânulas usadas para aspiração da gordura localizada causam pequenas lesões nos tecidos adjacentes, provocando algumas fibroses de tamanho reduzido.

É por conta das fibroses que algumas pacientes afirmam sentir o local da cirurgia plástica enrijecido nos meses posteriores.

Quando a fibrose compromete a recuperação?

Portanto, a formação de fibroses pode ser considerada comum e sem riscos de comprometer os resultados da cirurgia plástica.

No entanto, em alguns casos, a fibrose na cirurgia plástica apresenta-se em maior quantidade e tamanho, podendo resultar em irregularidades na pele, além de nódulos, enrijecimento, desconforto e até mesmo dor.

Esse processo ocorre devido uma reação inflamatória demasiada no local operado, acumulando células de proteína que produzem mais colágeno do que o necessário – como quando ocorre a formação de cicatrizes hipertróficas na derme externa.

A fibrose na cirurgia plástica costuma se manifestar a partir de duas semanas depois da cirurgia e torna-se mais proeminente em cerca de três meses. Em geral, após seis meses ela começa a ceder, mas em casos mais sérios, elas não desaparecem completamente e comprometem a estética da região.

Como evitar as fibroses após a cirurgia plástica?

Não é possível evitar completamente a formação de fibroses, pois elas variam de acordo com o tipo de cirurgia plástica, predisposição da paciente e cuidados pós-operatórios.

No entanto, algumas recomendações pós-cirúrgicas reduzem significativamente as chances do surgimento de fibroses na cirurgia plástica, como:

  • drenagem linfática: a técnica é indicada após a maior parte das cirurgias plásticas, especialmente as mais invasivas, sendo responsável por favorecer o funcionamento do sistema linfático que ajuda na eliminação toxinas, diminui a retenção de líquidos e favorece a cicatrização;
  • uso de cintas pós-operatórias: muitas cirurgias plásticas, como mamoplastia ou abdominoplastia, exigem o uso de cinta ou sutiã na recuperação. O uso correto é essencial para não sobrecarregar os tecidos e melhorar a cicatriz cirúrgica;
  • ultrassom: o aparelho de ultrassom pode ser usado em conjunto com a drenagem linfática e promove uma agitação das moléculas de água, resultando na suavização das fibroses;
  • repouso: o repouso adequado após a cirurgia plástica, evitando pegar peso ou exercícios intensos, são essenciais para uma cicatrização adequada, diminuindo as chances de fibroses.

Além desses cuidados é essencial que o cirurgião plástico responsável seja consultado caso qualquer desconforto físico ou alteração estética seja identificado durante o pós-operatório.

Com uma abordagem médica precoce há melhores chances de tratar a fibrose na cirurgia plástica e evitar o comprometimento estético.

Saiba que todo procedimento envolve riscos. Consulte sempre um médico.

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


CRM-SP 106.491 | RQE: 25827

  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).