Menu

Como as próteses de mama afetam a amamentação

Está amamentando e tem próteses de mama? Tire suas dúvidas se elas afetam na hora da amamentação.

“As próteses de mama afetam na hora da amamentação?” – esta, sem dúvida, é umas das principais dúvidas que surgem durante as consultas sobre Mamoplastia.

Afinal, muitas mulheres que estão em busca da autoestima perdida também alimentam o sonho de ser mãe, gerando sempre essa preocupação.

Por isso preparamos este artigo completo sobre o assunto, para que você possa fazer as escolhas certas com tranquilidade e segurança.

Mulher de sutiã segurando Próteses de mama

Entendendo as mudanças no seu corpo após a Mamoplastia

O estado original dos seios antes do procedimento é um dos principais indicativos do volume de leite que a mulher poderá produzir. Embora seios de tamanho reduzido não sejam fator de risco para a baixa produção do leite, seu tipo pode indicar um nível de tecido glandular insuficiente. Um exemplo são os seios tubulares, amplamente espaçados, não desenvolvidos ou assimétricos.

Quando a quantidade de tecido glandular é pequena desde o começo, a capacidade de produção de leite é significativamente reduzida mesmo antes de qualquer procedimento cirúrgico ser realizado. Fora isso, o implante de prótese em si não impacta nesse processo, seja subglandular ou submuscular.

Portanto, é muito importante conversar com o profissional escolhido, para que ele possa avaliar o quadro geral e indicar as melhores opções. Assim, você se prepara para sentir-se plenamente feliz com os resultados da sua cirurgia.

Como estimular a produção de leite – tendo ou não próteses de mama

Independentemente de qualquer procedimento cirúrgico, muitas mulheres podem apresentar dificuldades na hora de amamentar. A maioria das mulheres produz alguma quantidade de leite – mas algumas podem não produzir o volume total necessário para garantir a nutrição completa para o seu bebê. Porém, cada gota de leite é extremamente benéfica para o crescimento da criança e há muitas maneiras de aumentar a produção de leite – por isso separamos algumas dicas:

1) Amamente seu bebê frequentemente

Quanto maior for o estímulo, maiores são as chances de sua produção de leite aumentar. Intervalos de uma hora e trinta minutos a duas horas durante o dia e de três horas durante a noite são uma boa pedida, mas converse com o pediatra sobre qual o melhor intervalo indicado ao seu filho.

2) Garanta que o bebê mame dos dois lados a cada mamada

Mesmo que o bebê já pareça satisfeito, ofereça o outro lado – o estímulo pode deixá-lo mais desperto e disposto a mamar mais, ajudando a garantir o fluxo de leite.

3) Nos primeiros meses, ofereça apenas leite materno

Evite dar alimentos sólidos, chás, água pura ou qualquer tipo de fórmula durante os seis primeiros meses. Isso porque o bebê pode se acostumar com a facilidade na ingestão dos alimentos e deixar o seio de lado – e sem estímulo, a produção de leite pode cair drasticamente.

4) Tente descansar o máximo possível

Aproveite as sonecas do bebê para descansar também. Isso ajuda a reduzir os níveis de estresse no organismo, recuperando-o.

5) Beba bastante líquidos

Tenha em mente que a ingestão de líquidos é fundamental para a produção de leite – por isso, o ideal é que você consuma entre dois e quatro litros de água diariamente.

É possível amamentar com próteses de mama

Como vimos acima, o uso de próteses de mama não é fator impeditivo para nenhuma mulher amamentar. Não há riscos de nenhum tipo de produto químico de seus implantes mamários se misturar com o seu leite materno – até porque muitas das opções disponíveis no mercado são preenchidas com água salina, uma solução natural. Converse com o seu cirurgião plástico para escolher o tipo de implantes de silicone, a colocação e a forma como a cirurgia será feita já prevendo essa opção futura.

Se você tem mais dúvidas sobre próteses de mama, baixe agora mesmo nosso e-book completo sobre o tema.

ebook
  • 36
    Shares

Autor do Conteúdo

Foto DR. Luciana

| DRA. LUCIANA LEONEL PEPINO


  • Membro Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - SBCP.
  • Residência em Cirurgia Plástica no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Residência médica em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José – Belo Horizonte (MG).
  • Formada em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – Belo Horizonte (MG).